Morreu Eduardo Lourenço, ensaísta e conselheiro de Estado. Primeiro-ministro marca dia de luto nacional

  • Lusa e ECO
  • 1 Dezembro 2020

O ensaísta Eduardo Lourenço, de 97 anos, morreu esta terça-feira em Lisboa. O primeiro-ministro marcou para esta quarta-feira um dia de luto nacional.

O ensaísta Eduardo Lourenço, de 97 anos, morreu esta terça-feira em Lisboa. Era conselheiro de Estado e considerado um dos grandes pensadores portugueses, assim como o maior ensaísta português do século XX. Nasceu em Almeida, na Beira Baixa, a 23 de maio de 1923.

A RTP recorda que Eduardo Lourenço era também professor, filósofo, escritor, crítico literário e interventor cívico, tendo sido várias vezes galardoado e distinguido.

“Eduardo Lourenço foi, desde o início da segunda metade do século passado, o nosso mais importante ensaísta e crítico, o nosso mais destacado intelectual público.” É assim que Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, começa por reagir à notícia da morte de Eduardo Lourenço.

“Tendo vivido durante décadas em França, e sendo estruturalmente francófilo, poucos foram os ‘estrangeirados’ tão obsessivos na sua relação com os temas portugueses, com a cultura, identidade e mitologias portuguesas, com todos os seus bloqueios, mudanças e impasses”, continuou o chefe de Estado, numa extensa nota publicada no site da Presidência.

O Presidente da República, que no final das cerimónias do 1 de dezembro assinalou que Eduardo Lourenço representou “um século de serviço à pátria”, acrescentou ainda que “ninguém entre nós pensou a Europa e Portugal em conjunto, sem excecionalismos nem deslumbramentos, numa linha de fidelidade ao humanismo crítico de um dos seus mestres, Montaigne”.

“Vencedor de diversos prémios, incluindo o Pessoa e o Camões, distinguido por quatro vezes com ordens nacionais, e também reconhecido no estrangeiro, o Prof. Eduardo Lourenço deu-me a honra de integrar o Conselho de Estado”, disse o chefe de Estado, que termina com as “sentidas condolências” à família “pela perda deste amigo, deste sábio, desta figura essencial do Portugal que vivemos”.

“É um momento de grande tristeza. Amanhã será dia de luto nacional. É com grande saudade que nos deixa e é um grande convite também para conhecer a sua obra”, anunciou, por sua vez, o primeiro-ministro, António Costa.

(Notícia atualizada pela última vez às 10h44)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Morreu Eduardo Lourenço, ensaísta e conselheiro de Estado. Primeiro-ministro marca dia de luto nacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião