Swatch junta-se à CGD para criar relógios que fazem pagamentos contactless

A Swatch lança uma linha de relógios que permitem fazer pagamentos nas lojas via contactless. Lançados em parceria com a Caixa Geral de Depósitos, acompanham as tendências em tempos de pandemia.

Os novos SwatchPAY! chegam a Portugal numa parceria para já exclusiva com a Caixa Geral de Depósitos. São cinco novos modelos de relógios pensados pela marca Swatch que chegam ao mercado mais cedo do que o previsto devido à pandemia.

Com a funcionalidade de pagamento via contactless, estes relógios permitem fazer pagamentos de compras em loja em Portugal em todos os terminais de pagamento habilitados, não precisando de introdução de código até ao montante de 50 euros. Basta, para isso, aproximar o relógio do terminal e substituindo a necessidade de utilização física do cartão de crédito ou débito, ou telemóvel para pagamentos.

Equipado com um chip NFC localizado por baixo do mostrador do relógio, o SwatchPAY! pretende ser seguro e conveniente. O equipamento é lançado em Portugal numa altura em que os pagamentos contactless ganharam destaque para limitar contactos e, consequentemente, o risco de transmissão da Covid-19.

Os utilizadores têm de ter conta aberta na Caixa Geral de Depósitos com cartão de débito, crédito ou pré-pago associado, bem como proceder à ativação do relógio numa loja selecionada. Depois, é possível definir as funcionalidades de segurança na app SwatchPAY! App by wearonize, incluindo consulta de movimentos, bloqueio em caso de roubo ou dissociação do cartão.

Ao contrário dos smartphones, os relógios não requerem qualquer bateria para realização de pagamento, tornando-os mais flexíveis e duráveis por comparação a outros métodos. São também resistentes à água até uma profundidade de 30 metros. Este serviço de pagamentos digitais da Swatch foi introduzido pela primeira vez na China em 2017 e está atualmente disponível em sete países.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Swatch junta-se à CGD para criar relógios que fazem pagamentos contactless

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião