Portugal Ventures bate recorde. Investe 17,7 milhões em ano de pandemia

  • Lusa
  • 10 Dezembro 2020

A Portugal Ventures vai fechar este ano com um investimento de 17,7 milhões de euros, perspetivando acolher mais 59 startups no seu portefólio.

A Portugal Ventures vai fechar o ano de 2020 com um investimento de 17,7 milhões de euros, perspetivando acolher mais 59 startups no seu portefólio, foi divulgado esta quinta-feira.

De acordo com a sociedade de capital de risco, que integra o grupo do Banco Português de Fomento (BPF), realizaram-se 12 projetos e investimento e estão em processo mais 47, através dos instrumentos de financiamento Call INNOV-ID, Call Fostering Innovation in Tourism e Operação Follow-ons.

Investimento da Portugal Ventures aumenta pelo terceiro ano consecutivo.

“Com o lançamento da Call INNOV-ID, a Portugal Ventures cobriu uma falha de mercado ao adaptar a sua estratégia de investimento para integração de startups em fase pre-seed no seu portefólio, cuja tecnologia está já desenvolvida, mas que se encontram ainda em fase de protótipo, prova de conceito ou em validação de product-market-fit”, pode ler-se no comunicado divulgado esta quinta-feira pela Portugal Ventures.

A pandemia fomentou ainda a “dinamização das Calls”, que “contou com um esforço conjunto das suas redes de parceiros de ignição e de parceiros de capital, para a identificação de projetos maduros, capazes de receber um investidor de capital de risco”

Foram também identificados “projetos que, pelo seu potencial de crescimento e capacidade em ultrapassar as adversidades da pandemia, necessitavam de obter reforço de capital para dar continuidade aos seus negócios”, de acordo com a sociedade de capital de risco.

Segundo a Portugal Ventures, “em menos de dois meses, foram recebidas mais de 150 candidaturas às iniciativas lançadas, mobilizando mais de 36 parceiros de ignição” oriundos de todo o país.

Os 12 novos investimentos que contaram com o apoio da Portugal Ventures foram as empresas Barkyn, EatTasty, Fülhaus, HiJiffy, Legal Vision, LiMM Therapeutics, Mindprober, Probely, Reatia, Redcatpig, Wide Ocean Retreat e Algarve Sun Boat, e “os 47 projetos que estão em processo de investimento serão detalhadamente divulgados após a formalização dos contratos de investimento”.

A Portugal Ventures realizou ainda “reforços de investimento no valor de 4,2 milhões de euros em 14 operações de Follow-on“, com destaque para participações em investimentos na Lovys, Nutrium e DefinedCrowd.

Já em termos de exits (saídas: desinvestimento e venda das empresas do portefólio) foram realizados seis, “destacando-se a venda da B-Parts para o Groupe PSA, detentor de marcas como a Peugeot, Citroën e Opel, e da Fyde para a norte-americana Barracuda, empresa de soluções de cibersegurança na ‘cloud’”.

Rui Ferreira e Pedro de Mello Breyner, do Conselho de Administração da Portugal Ventures, salientaram que a sociedade “respondeu às necessidades do ecossistema através da concretização de medidas específicas que apoiassem projetos que, pelo seu potencial, não podiam ver goradas as expectativas de um futuro global”.

“Estes resultados, num ano tão atípico como o que vivemos, evidenciam por parte da Portugal Ventures uma postura atenta, pró-ativa e muito próxima de um ecossistema que necessita de estimular projetos que contribuam para a competitividade nacional, que tenham capacidade para escalar e tornarem-se globais e, acima de tudo, que imprimam impacto diferenciador no mercado mundial”, disseram os responsáveis, citados em comunicado.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal Ventures bate recorde. Investe 17,7 milhões em ano de pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião