Espanha admite endurecer medidas durante o Natal se necessário

  • Lusa
  • 16 Dezembro 2020

Pedro Sánchez pediu aos cidadãos que façam um último esforço e que não baixem a guarda à Covid-19 às portas do início da vacinação.

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, alertou, esta quarta-feira, para o “aumento preocupante das infeções” de Covid-19 nos últimos dias e assegurou que, caso necessário, irá propor o endurecimento das medidas contra a pandemia durante o período do Natal.

“Não podemos relaxar. Não podemos baixar a guarda (…). Lutámos muito durante todo o ano, unidos, e estamos perante este último esforço”, disse o chefe do executivo de esquerda durante um debate no parlamento em que deu conta da situação sanitária no país, que tinha prometido fazer de dois em dois meses enquanto estiver a vigorar o estado de emergência.

Pedro Sánchez pediu aos cidadãos que façam um esforço derradeiro e que não baixem a guarda às portas do início da vacinação, prevista para o início de 2021. “Não vamos deitar tudo a perder. Depende de nós não abrir a porta a uma terceira vaga”, disse o chefe do Governo.

No entanto, o chefe do Governo espanhol manifestou-se convicto de que o país está agora a entrar numa “terceira e última fase” que representa “o início do fim” da pandemia, com a estratégia de vacinação, para a qual garantiu que a Espanha está pronta.

“A Espanha está pronta, todas as suas instituições estão prontas para enfrentar esta estratégia de vacinação”, disse Sánchez que recordou que o país foi, juntamente com a Alemanha, o primeiro país da União Europeia a ter um plano de vacinas.

O primeiro-ministro confirmou que haverá 13.000 locais de vacinação em todo o território para garantir que todos os grupos prioritários tenham acesso à vacina na primeira fase, um total de 2,5 milhões de espanhóis.

O Executivo, disse Sánchez, acredita que na segunda fase da vacinação, de maio a junho, entre 15 e 20 milhões de espanhóis serão vacinados.

O líder da principal formação da oposição, Pablo Casado, do Partido Popular (direita), fez uma intervenção muito dura contra o Governo de coligação formado pelo Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) e a Unidas Podemos (extrema-esquerda). “Nada mudou nestes seis meses, ainda estamos numa crise muito grave em Espanha”, disse Pablo Casado que voltou a criticar a gestão feita pelo Governo da crise provocada pela pandemia de Covid-19.

O líder do PP exigiu que Pedro Sánchez pedisse desculpa por dirigir um governo “incompetente, que mentiu e é tão arrogante que não é capaz de reconhecer os danos infligidos” pela gestão da pandemia do novo coronavírus.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Espanha admite endurecer medidas durante o Natal se necessário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião