Exportações portuguesas de cortiça subiram 50% em dez anos

  • Lusa
  • 16 Dezembro 2020

Tendo França como principal mercado, as exportações portuguesas de cortiça subiram, nos últimos dez anos, 50%, para mais de mil milhões de euros.

As exportações portuguesas de cortiça subiram 50% na última década, para mais de mil milhões de euros, com França a ser o principal mercado, segundo um estudo da Associação Portuguesa de Cortiça (APCOR).

“Na última década, as exportações portuguesas de cortiça aumentaram mais de 50%, tendo superado os mil milhões de euros”, lê-se no estudo A fileira da cortiça: da floresta ao consumidor.

França é o principal mercado para as exportações, representando 18,3%, “mas tem vindo a perder quota” para os Estados Unidos da América (17,4%) e Espanha (15,4%).

Por produto, as rolhas representam mais de 70% das exportações. Em valor, as rolhas de cortiça natural representam 59% das exportações de rolhas, tendo perdido, na última década, 10 pontos percentuais para as rolhas técnicas.

De acordo com o estudo, Espanha é o principal mercado para as exportações portuguesas de materiais de construção em cortiça, que mais do que quadruplicaram (350%) na última década, neste país.

Por sua vez, as importações aumentaram 136% desde 2009, impulsionadas pela cortiça natural. Espanha é o principal fornecedor de Portugal (70%), sendo a restante percentagem distribuída por Itália e pelo Norte de África.

“A cortiça representa 1,84% das exportações portuguesas de mercadorias, mas apenas 0,29% das correspondentes importações. Em 2018, o comércio internacional de cortiça gerou, para Portugal, um excedente comercial que excedeu os 850 milhões de euros, um dos mais elevados de toda a economia nacional, tendo aumentado 41% desde 2009”, revelou a Apcor.

O estudo apontou ainda que, anualmente, a indústria da cortiça efetua investimentos de mais de 40 milhões de euros, alavancados pelos sistemas de incentivos, como o Compete 2020, dados que se baseiam nas demonstrações financeiras de 478 empresas que estiveram em atividade contínua de 2014 a 2018.

No documento, foram apontadas como as principais ameaças para o setor: as alterações climáticas, a degradação da floresta e do sobreiro, a redução do consumo do álcool e o desinteresse pelo potencial da cortiça.

Já no que concerne às oportunidades, inclui-se a aplicação da cortiça na construção, a apetência do mercado por produtos sustentáveis, a possibilidade de recurso a fundos ambientais e o desenvolvimento tecnológico.

Este estudo foi desenvolvido no âmbito do projeto Cork_Inov, com o apoio de fundos comunitários, num investimento total de 649.797,99 euros, comparticipado em 85%.

Fundada em 1956, a APCOR é a única associação patronal do setor em Portugal, representando 270 empresas.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Exportações portuguesas de cortiça subiram 50% em dez anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião