Nova estirpe tira mil milhões à bolsa de Lisboa. Galp e BCP afundam mais de 5%

O dia nos mercados foi de alta pressão nas bolsas após vários Governos europeus terem fechado as ligações com o Reino Unido devido à nova estirpe mais contagiosa do coronavírus.

A bolsa de Lisboa terminou a sessão em forte baixa, acompanhando a tendência da generalidade das praças europeias. A condicionar o desempenho dos mercados esteve a descoberta de uma nova estirpe do coronavírus alegadamente 70% mais contagiosa no Reino Unido. O PSI-20 perdeu mil milhões de euros nesta sessão, com a Galp Energia e o BCP a serem fortemente castigados pelos investidores: afundaram mais de 5%.

Depois de várias semanas de ganhos generalizados, e quando vários países já têm em curso os seus planos de vacinação, as bolsas viveram esta segunda-feira uma sessão de forte pressão vendedora, depois de ter sido revelado que uma nova variante do vírus Sars-Cov-2 foi detetada no Reino Unido. E nem a “luz verde” da Agência Europeia do Medicamento à vacina da Pfizer/BioNTech aliviou a pressão nos mercados.

Nesse contexto, na Europa, o Stoxx 600 caiu 2,3%, enquanto o britânico FTSE 100 desvalorizou 1,8%, o francês CAC-40 perdeu 2,4%, o alemão DAX cedeu 2,8%, já o IBEX-35 derrapou 3%. Em Lisboa, o PSI-20 acompanhou as perdas registadas nas praças europeias, desvalorizando 2,20% para os 4.658,49 pontos, com 16 das 18 cotadas em “terreno” negativo, uma a ganhar e uma inalterada.

As cotadas portuguesas mais penalizadas nesta sessão foram a Galp Energia e o BCP. A petrolífera portuguesa tombou 5,76% para os 8,2780 euros. Trata-se da maior desvalorização percentual desde 21 de abril (dia em que derrapou 5,58%). Só nesta sessão, a empresa liderada por Carlos Gomes da Silva perdeu mais de 390 milhões de euros em capitalização bolsistas, isto no dia em que anunciou que vai fechar a refinaria de Matosinhos, concentrando as operações de refinação em Sines.

Nos mercados internacionais, o Brent, que serve de referência para a Europa, desvalorizou 4,02% para 50,16 dólares, ao passo que o crude em Nova Iorque recuava 4,09% para os 47,09 dólares.

A par da Galp Energia, o banco liderado por Miguel Maya também liderou as quedas na praça nacional. O BCP cedeu 5,28% para os 11,66 cêntimos, o maior recuo também desde 21 de abril deste ano. Nesta sessão, a instituição bancária perdeu mais de 98 milhões em capitalização bolsista.

Também a Jerónimo Martins se destacou nas perdas, recuando 2,31% para os 13,76 euros. Nesta sessão, a retalhista perdeu cerca de 204 milhões em capitalização bolsista. Destaque ainda para o setor da pasta e papel, com a Altri a ceder 2,80%, a Navigator a perder 2,71% e a Semapa a desvalorizar 4,39%.

Nota ainda para o grupo EDP que apesar de terem tido quedas menos expressivas, foram também das que mais perderam em capitalização de mercado. Ao recuar 0,88%, a EDP perdeu 390 milhões de euros nesta sessão, ao passo que a EDP Renováveis perdeu 169 milhões, apesar de ter encerrado a sessão inalterada.

(Notícia atualizada às 17h40 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Nova estirpe tira mil milhões à bolsa de Lisboa. Galp e BCP afundam mais de 5%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião