Saiba os preços que vão mudar na sua casa em 2021

O novo ano traz várias alterações nas despesas da casa. Os preços da luz vão descer, enquanto as telecomunicações deverão aumentar para alguns clientes. Se arrenda casa, vai continuar a pagar o mesmo.

A chegada de um novo ano costuma trazer novidades ao nível dos preços. Para além dos transportes e dos preços básicos do dia-a-dia, é também nas despesas do lar que estas alterações se refletem mais de ano para ano. Para 2021, perspetiva-se o congelamento das rendas e a redução dos encargos com eletricidade. Mas há também despesas que deverão aumentar, como é o caso da mensalidade das telecomunicações.

Fatura da luz encolhe 0,6% e há alívio do IVA

Os preços da luz vão encolher 0,6% a 1 de janeiro, ditou o regulador dos serviços energéticos. Mas, apesar de já existir menos de um milhão de clientes no mercado regulado (o que conta para esta atualização), as taxas definidas costumam servir de referência para o mercado liberalizado.

A somar a esta descida, desde dezembro que as famílias portuguesas beneficiam de um alívio no IVA da eletricidade. É agora aplicada uma taxa intermédia (de 13% no continente) na fatura dos consumidores com potências contratadas até 6,9 kVA, a incidir apenas sobre os primeiros 100 kWh consumidos em cada mês. A restante energia consumida é taxada com o IVA normal, de 23%.

Adesão às moratórias alargada até março

As famílias portuguesas podem aderir às moratórias no crédito até 31 de março, uma decisão tomada pelo Governo depois de receber “luz verde” da Autoridade Bancária Europeia.

As moratórias no crédito permitem às famílias empurrar até setembro de 2021 o pagamento dos empréstimos que contraíram, mês em que está previsto o fim deste regime.

Segundo estimativas do Banco de Portugal, os portugueses poderão adiar para setembro um montante na ordem dos 2.000 milhões de euros, sendo 4% do valor correspondente a juros não pagos.

Renda da casa não mexe em 2021

Se está sujeito a um contrato de arrendamento, temos uma boa notícia para si. As rendas não vão ser alvo de atualização no próximo ano, depois de a inflação nos 12 meses terminados em agosto ter-se fixado em terreno negativo.

Este congelamento ganha ainda mais relevância tendo em conta que há cinco anos consecutivos que as rendas sobem por via da atualização anual, que acontece em janeiro.

A lei prevê que os senhorios possam fazer atualizações anuais das rendas cobradas aos inquilinos à luz da taxa de inflação. Em 2020, as rendas subiram 0,51%, depois de um aumento de 1,15% em 2019 e de 1,12% em 2018.

Fatura das telecomunicações pode subir

A mensalidade das telecomunicações pode subir, dependendo do seu contrato e prestador de serviço. Se é cliente da Meo, é possível que o preço do seu pacote fique mais caro a partir de 1 de janeiro.

A operadora da Altice Portugal comunicou a alguns clientes que vai atualizar as mensalidades de alguns pacotes em 2021 à luz da taxa de inflação. O aumento mínimo estipulado pela operadora é de 50 cêntimos, pelo que, com o índice de preços no consumidor a rondar valores negativos, é provável que esse seja mesmo o valor da subida para os clientes abrangidos pela atualização anual, que está em linha com aquela que foi feita em 2020.

Contas feitas, tendo em conta uma fatura de triple play (TV + Net + Telefone) de 33,99 euros este ano, a mesma fatura deverá passar a custar 34,49 euros já a partir de janeiro, ou seja, uma subida de, exatamente, 50 cêntimos.

Em novembro, fonte oficial da Nos garantiu ao ECO que a empresa não tenciona mexer nos preços em janeiro de 2021 e não era imediatamente claro o que tenciona fazer a Vodafone.

Serviços de streaming mais caros

Algumas plataformas de streaming de conteúdos vão pesar mais na carteira ao final do mês. É o caso do serviço Disney+, que anunciou a intenção de subir a mensalidade em dois euros a partir de fevereiro de 2021.

A mensalidade da plataforma da Disney passa, deste modo, para os 8,99 euros por mês, em resultado da adição de novos conteúdos da marca Star. A subida é transversal à generalidade dos países europeus.

Para os fãs do desporto, desde novembro que a mensalidade da Eleven está mais cara. A plataforma custa agora mais um euro, ou 10,99 euros por mês. Mas foi também criado um passe para 48 horas, que custa 6,99 euros, para quem quer assistir apenas a conteúdos específicos.

Não se perspetivam mudanças nos preços de outras plataformas de streaming populares. Mas não quer isso dizer que não possam acontecer.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saiba os preços que vão mudar na sua casa em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião