Comércio tem novas regras para trocar prendas de Natal

Compras feitas até 25 de dezembro nalguns estabelecimentos comerciais têm um prazo para troca ou devolução alargado até 31 de janeiro. Medida pretende evitar ajuntamento nas lojas.

Em ano de pandemia, em várias lojas, os prazos para trocas ou devoluções de prendas de Natal foram estendidos até final de janeiro. Por isso, ainda tem mais um mês para trocar ou devolver aquele presente que lhe ofereceram e não lhe serve… ou não gostou.

Normalmente o prazo para trocas ou devoluções é de 15 dias ou, na melhor das hipóteses, um mês. Mas, este ano, devido à pandemia, há lojas que têm estipulados até três meses para devolver ou trocar presentes. Através de um protocolo que o Governo assinou com diversas associações comerciais, há lojas em que presentes comprados entre 4 de novembro e 25 de dezembro podem ser trocados até 31 de janeiro.

Na altura em que este protocolo foi anunciado, no início de novembro, o Executivo explicou que a intenção era dar mais tempo aos portugueses para prepararem as habituais compras de Natal, mas também para responder ao especial afluxo às lojas para trocas após o dia 25 de dezembro.

A lista de estabelecimentos aderentes pode ser consultada no site da Direção-Geral das Atividades Económicas (DGAE). Além disso, cada uma destas lojas terá um dístico de identificação desta campanha à entrada ou num local visível. Na lista constam 376 estabelecimentos de norte a sul do país.

A Worten e os Auchan são os mais repetidos na lista, contemplando várias das suas lojas em todo o país, mas também a Tanara, a Hawkers, CODE, algumas óticas e outras em centros comerciais outlets.

Neste que é um ano marcado pela pandemia, o plafond para as compras de Natal caiu. De acordo com um inquérito feito pela Cetelem e pelo Observador, o preço médio por cada presente que os portugueses querem gastar desceu de 38 euros para 22 euros, menos 16 euros face a 2019.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comércio tem novas regras para trocar prendas de Natal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião