Passagem de ano leva portugueses a procurar destinos exóticos

Depois de um ano de confinamento e apesar das restrições (ou por causa delas), há quem queira entrar no ano novo num cenário diferente. As praias exóticas lideram as preferências dos portugueses.

Apesar das restrições perduram devido à pandemia, e mesmo com o número de casos a continuar a aumentar em muitos países, ainda há quem não abdique de entrar em 2021 num destino internacional. Uma pesquisa pelas agências de viagens mostra várias opções para a passagem de ano, a maioria para destinos pouco comuns. Ao ECO, a Agência Abreu confirma esta tendência, numa altura em que os preços desceram, ainda que pouco.

São vários os sites de agências de viagens que oferecem pacotes de voos para a passagem de ano. E não apenas para as ilhas nacionais, como é mais comum nesta altura do ano. Em tempos de pandemia, a procura direciona-se para destinos mais exóticos. “Durante esta temporada, a procura tem vindo a intensificar-se para destinos de praias exóticas como as Maldivas, Seychelles, Zanzibar e outros mais tradicionais como Caraíbas e Dubai“, explica ao ECO Pedro Quintela, diretor de vendas e marketing da Agência Abreu.

A Abreu confirma a procura por pacotes para estes destinos. “Seja por dificuldades de viagem, seja por não estarem ainda confortáveis com eles, destinos tradicionais nesta época — como Cabo Verde, Brasil, EUA e até as cidades europeias — tiveram pouca procura por parte dos clientes”, continua o responsável, que nota, contudo, que as operações charter [em que as próprias agências de viagens reservam um avião] “estão suspensas para já”.

Mas, e os preços? Na Abreu, uma semana num destes destinos ronda, normalmente, os 2.000 euros por pessoa. Pedro Quintela refere que “os preços sofreram descidas pouco significativas, uma vez que aliada à escassez da procura, também há uma grande escassez de oferta”.

“São poucos os destinos que estão abertos às viagens dos portugueses, há muitos hotéis fechados — os que estão abertos têm capacidade reduzida –, e a quantidade de ligações aéreas diminuiu muitíssimo”. Por isso, sublinha o responsável de vendas e marketing, “de um modo geral, podemos dizer que há um encontro entre a procura e a oferta em termos de preços“.

A par destes destinos, continua a haver quem prefira saltar para 2021 nos Açores ou na Madeira. Da parte da Abreu, esta tendência continua a observar-se, sobretudo em tempos de pandemia. “A procura interna pelos arquipélagos nacionais e, inclusive, por estadias no próprio continente mantém-se, podendo até dizer-se que foi o destino preferencial dos portugueses ao longo do ano“, diz Pedro Quintela, referindo que o Douro, a Serra da Estrela, o Algarve e o Alentejo também fazem parte dos destinos mais procurados pelos portugueses.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passagem de ano leva portugueses a procurar destinos exóticos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião