Fidelidade compra antiga sede da revista The Economist em Londres por 177 milhões

A seguradora adquiriu um icónico imóvel em Londres, composto por três edifícios, numa área total de 7.525 metros quadrados.

A Fidelidade fechou uma mega operação imobiliária no Reino Unido. A seguradora adquiriu a Smithson Plaza, em Londres, que foi durante muitos anos a sede da revista The Economist. O negócio foi fechado por 160 milhões de libras (177 milhões de euros).

A norte-americana Tishman Speyer Properties vendeu o Smithson Plaza. O imóvel tem uma área total de 7.525 metros quadrados e está localizado nos números 25 a 27 da St. James Street, na capital britânica, segundo vários jornais internacionais, e tem 91% da sua área de usos mistos ocupada.

A Smithson Plaza é composta por três edifícios: a Smithson Tower com 14 andares de escritórios e 4.831 metros quadrados; o edifício Denham com 1.022 metros quadrados, dos quais 790 metros quadrados são apartamentos; e o edifício Bank com cinco andares, num total de 465 metros quadrados de escritórios. O imóvel tem ainda lojas, uma galeria e um restaurante.

A Tishman comprou este imóvel à revista The Economist em 2016, que “morava” lá desde o seu nascimento, em 1960, tendo pago na altura 130 milhões de libras (144 milhões de euros), segundo o site Property EU (conteúdo em inglês).

Em setembro de 2017, a empresa fez profundas obras de reabilitação no imóvel, que foram concluídas no verão de 2018. Nessa altura, os espaços vazios foram arrendados por um valor recorde de 200 libras (221 euros) por metro quadrado, avança o site Property Magazine (conteúdo em inglês).

Agora, o imóvel passa para as mãos da Fidelidade, controlada pela chinesa Fosun, por cerca de 160 milhões de libras (177 milhões de euros). O ECO questionou a seguradora sobre os motivos para este investimento, bem como os objetivos para o imóvel, mas até ao momento não obteve resposta.

Contudo, fontes do mercado imobiliário contactadas pelo ECO afirmam que este negócio tem a ver com “diversificação” do portefólio e “rendimento”. As mesmas fontes adiantaram que a Fidelidade tem comprado “imobiliário de relevo fora de Portugal”, nomeadamente em Nova Iorque, Londres e Bruxelas.

“Toda a equipa da Tishman Speyer está incrivelmente orgulhosa do que conquistou na Smithson Plaza — uma casa renovada com uma combinação perfeita de escritórios, retalho e arrendatários residenciais”, diz Dan Nicholson, diretor administrativo da Tishman Speyer, citado pelo site IPE Real Assets (conteúdo em inglês).

O imóvel pertencia ao fundo TSEV VII da Tishman e era o último que constava desta carteira. Esta venda “representa um marco importante para este fundo em particular, sendo este o último ativo deste veículo fechado a ser vendido. Estamos muito satisfeitos em realizar esta saída, pois cristaliza substancialmente o desempenho do fundo”, continuou o responsável.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fidelidade compra antiga sede da revista The Economist em Londres por 177 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião