Mota-Engil abre espaço a que acionistas chineses reforcem posição

Após o aumento de capital, a CCC ficará com cerca de 30% da Mota-Engil, mas a MGP da família Mota continuará como maior acionista com cerca de 40% da construtora.

A Mota-Engil prepara-se para aumentar o capital em mais 100 milhões de euros, dando assim espaço para os novos acionistas, a gigante estatal chinesa da construção CCCC, a reforçar a posição. A operação vai ser votada esta quinta-feira em assembleia geral de acionista e tem aprovação garantida já que a família Mota é o maior acionista.

A China Communications Construction Company (CCCC) chegou a acordo, em agosto do ano passado, com a holding Mota Gestão e Participações (MGP) para a compra de 23% do capital da construtora portuguesa. Pela participação de cerca de 55 milhões de ações, a CCCC pagou na altura 169,4 milhões de euros.

Para evitar que os novos acionistas tenham de lançar uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a empresa, ficou logo acordado que a Mota-Engil viria a realizar um aumento de capital para todos os acionistas, mas que o grupo chinês já disse que irá subscrever. É essa autorização que a empresa pede agora aos acionistas, numa assembleia geral que decorre esta quinta-feira às 17h00, no Porto.

“A autorização compreende a deliberação de um aumento de capital, por uma única vez, por novas entradas em dinheiro e mediante a emissão de novas ações ordinárias com o mesmo valor nominal das existentes”, pode ler-se na convocatória. “O montante máximo do aumento do capital social será de mais 100.000.000 euros (cem milhões de euros). O aumento de capital terá por destinatários os acionistas da sociedade no exercício dos respetivos direitos de preferência e demais investidores que adquiram direitos de subscrição”.

Após o aumento de capital, a CCC ficará com cerca de 30% da Mota-Engil, mas a MGP continuará como maior acionista com cerca de 40%. Ainda não é conhecido o preço a que cada ação será emitida, mas pela participação inicial, a CCCC pagou 3,08 euros por título. Este montante coloca a avaliação do grupo em cerca de 750 milhões de euros, o que compara com o atual valor de mercado da Mota-Engil de 332,7 milhões de euros.

Desempenho da Mota-Engil no PSI-20

Segundo anunciaram as empresas, o acordo e parceria estratégica entre a Mota e a CCCC permitirá “um reforço das capacidades financeiras, técnicas e comerciais do grupo Mota-Engil, a fim de aumentar as suas atividades em todos os mercados e abrir novas oportunidades para novos desenvolvimentos”.

Em bolsa, investidores e analistas aplaudiram o negócio, com os títulos a valorizarem após o anúncio. No entanto, o novo agravamento da pandemia no quarto trimestre de 2020 voltou a penalizar as ações, que negociam atualmente nos 1,45 euros.

“A aliança e parceria estratégica assinada com a China Communications Construction Company (CCCC) poderá ser decisiva para a história de investimento da Mota-Engil”, dizia, no mês passado, o Caixa Banco de Investimento. “A empresa recebe uma injeção vital de capital numa altura em que opera num contexto difícil, ganhando igualmente acesso a novas fontes de financiamento, experiência e know-how de um dos maiores grupos de infraestruturas a nível mundial (top 5)”.

As duas empresas já trabalhavam juntas há mais de um ano nomeadamente no México e Colômbia. “No nosso entender esta aliança poderá continuar a trazer receitas e EBITDA adicionais à companhia, ajudando assim ao importante processo de desalavancagem do seu Balanço”, acrescenta o Caixa BI, que atribuiu uma recomendação de “compra” às ações e um preço-alvo de 2,30 euros (com potencial de valorização de quase 60%).

(Título atualizado às 11h05 para clarificar que todos os acionistas podem subscrever o aumento de capital)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil abre espaço a que acionistas chineses reforcem posição

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião