Trump suspenso do Twitter, Facebook, Instagram e Snapchat

O presidente dos EUA foi suspenso ou alvo de restrições no Twitter, Facebook, Instagram e Snapchat. O YouTube também removeu um conteúdo que violava a nova política de utilização da plataforma.

As principais redes sociais aplicaram restrições a Donald Trump e o Twitter ameaçou banir o ainda presidente dos EUA, depois de um ataque ao Capitólio incitado pelo chefe de Estado norte-americano. Num período de menos de 24 horas, as plataformas viram-se obrigadas a tomar medidas que evitaram a todo o custo ao longo dos últimos cinco anos e, já depois da publicação desta notícia, o Facebook decidiu suspender o presidente “indefinidamente”.

O Twitter, que tem sido a plataforma mais usada pelo presidente dos EUA, continuou a aplicar notas e alertas junto das mensagens de Donald Trump, à semelhança do que tem feito desde as eleições presidenciais, para dar mais contexto sobre as alegações do chefe de Estado. No entanto, esta quarta-feira, tomou a decisão inédita de esconder permanentemente duas mensagens e um vídeo do presidente, publicados durante o ataque ao Capitólio, exigindo a respetiva remoção.

“Como resultado da situação sem precedentes e em curso em Washington, exigimos a remoção de três tweets de @realDonaldTrump [a conta pessoal de Donald Trump] que foram publicados há pouco, por repetidas e severas violações da nossa política de integridade civil”, anunciou a rede social liderada por Jack Dorsey.

“Isto significa que a conta de Donald Trump vai ser bloqueada por 12 horas depois da remoção desses tweets. Se os tweets não forem removidos, a conta continuará bloqueada”, acrescentou a empresa, que reforçou ainda que a continuação deste comportamento por parte de Trump conduzirá à “suspensão permanente” da conta do presidente.

O Facebook também tomou medidas para limitar o alcance das mensagens do presidente, banindo um vídeo onde Trump apelava à desmobilização da multidão, mas repetindo a falsa acusação de que o resultado das eleições presidenciais foi manipulado. “Removemo-lo porque, no geral, acreditamos que contribui mais do que diminui o risco da violência em curso”, afirmou fonte oficial da empresa, citada pela BBC.

A plataforma fundada por Mark Zuckerberg acabou por ir ainda mais longe, tendo bloqueado a conta do presidente Donald Trump por um período de 24 horas. “Avaliámos duas violações de política contra a página do presidente Trump que resultarão num bloqueio de funcionalidades de 24 horas, o que significa que perderá a capacidade para publicar na plataforma durante esse período”, acabou por anunciar a rede social.

Medida semelhante acabou por ser aplicada também no Instagram, limitando ainda mais o alcance de Donald Trump nas redes sociais. Citado pelo site especializado The Verge, o líder do Instagram, Adam Mosseri, confirmou que a conta do presidente também foi bloqueada por 24 horas nessa plataforma.

No entanto, já depois da publicação desta notícia, Mark Zuckerberg tomou a decisão de suspender “indefinidamente” a conta do presidente dos EUA no Facebook e no Instagram. O fundador da rede social alega que permitir que Donald Trump continue a usar o serviço acarreta demasiados riscos para a ordem pública, numa altura de transição de poder para Joe Biden.

No YouTube, o referido vídeo do presidente dos EUA também foi eliminado pela plataforma detida pela Google. Também segundo o The Verge, a plataforma tomou esta medida com base numa nova política de utilização, datada de dezembro de 2020, que impede a publicação de conteúdo que alegue que fraude generalizada impactou os resultados das presidenciais.

O presidente dos EUA está ainda bloqueado no Snapchat. Segundo confirmou fonte oficial da rede social ao TechCrunch, a empresa decidiu aplicar a medida na quarta-feira e continuará a monitorizar a situação, não tendo avançado com uma perspetiva sobre quando é que as limitações poderão ser levantadas.

(Notícia atualizada às 16h21 com suspensão de Trump do Facebook e do Instagram por tempo “indefinido”)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump suspenso do Twitter, Facebook, Instagram e Snapchat

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião