Alemanha pode necessitar de medidas de confinamento rígidas até final de março, afirma Merkel

  • ECO
  • 12 Janeiro 2021

A 25 de janeiro, as autoridades nacionais vão reunir-se para discutir as próximas medidas a adotar e quais podem ser prolongadas por mais dez semanas.

Angela Merkel admitiu que a Alemanha poderá enfrentar medidas de confinamento bastante apertadas até final de março, caso as autoridades de saúde nacionais não sejam capazes de conter a nova variante do coronavírus, que surgiu primeiramente no Reino Unido e que tem uma maior velocidade de propagação.

A notícia foi avançada primeiramente pelo jornal Bild, referindo como a chanceler alemã, numa videochamada que decorreu esta terça-feira, admite que esta nova estirpe do vírus pode resultar num aumento rápido das taxas de contágio a nível nacional, tendo as medidas restritivas agora em vigor de ser prolongadas por mais dez semanas.

Esta terça-feira, a taxa de infeção no país foi de 165 casos por 100.000 habitantes, mais do triplo do valor que o Governo alemão considerou como sendo controlável. A 25 deste mês, as autoridades nacionais irão reunir-se de forma a discutir as próximas medidas a adotar de forma a conter a propagação da pandemia.

Nas últimas semanas, a Alemanha tem estado sujeita a diversas medidas restritivas, atualmente em vigor até ao final deste mês, como o encerramento de escolas e do comércio não essencial, impondo-se ainda limitações nos contactos entre as pessoas.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Alemanha pode necessitar de medidas de confinamento rígidas até final de março, afirma Merkel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião