I Liga de futebol não vai parar e continua sem adeptos nas bancadas

  • Lusa
  • 13 Janeiro 2021

António Costa garantiu que a I Liga portuguesa de futebol e "ligas equiparadas" vão manter-se em atividade durante o novo confinamento geral, devido à pandemia de Covid-19.

O primeiro-ministro, António Costa, garantiu que a I Liga portuguesa de futebol e “ligas equiparadas” vão manter-se em atividade durante o novo confinamento geral, devido à pandemia de Covid-19.

“Relativamente às atividades desportivas, as [restrições e encerramentos] de lazer são mantidas, com as exceções no mesmo regime de março e abril. Sobre a Liga profissional [de futebol] e ligas equiparadas às profissionais, são mantidas em atividade, obviamente sem público”, declarou António Costa no final da reunião do Conselho de Ministros, durante a qual foram decididas as medidas do novo confinamento.

Segundo um documento distribuído durante o briefing do chefe do Governo, será permitido exercício individual ao ar livre, com ginásios e outros recintos desportivos encerrados. O outro ponto dedicado ao desporto aponta que possam continuar em atividade “seleções nacionais e primeira divisão sénior sem público”, sem que este esclareça se se refere a todas as modalidades e a ambos os géneros de competição, masculino e feminino.

O nono Estado de Emergência foi aprovado esta quarta-feira no Parlamento e entra em vigor na quinta-feira, mantendo-se em vigor até 30 de janeiro. Portugal ultrapassou os 500 mil casos de infeção com o novo coronavírus registados desde o início da pandemia, em março de 2020, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim epidemiológico da DGS, com o registo de 10.556 novos casos nas últimas 24 horas, Portugal atingiu hoje os 507.108 casos confirmados de infeção com o novo coronavírus, que provoca a doença covid-19.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

I Liga de futebol não vai parar e continua sem adeptos nas bancadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião