Lojas de Cidadão fecham, restantes serviços públicos só por marcação

O Governo reuniu para anunciar novas medidas sobre o confinamento. Lojas de Cidadão vão ser encerradas, permanecendo apenas o atendimento por marcação nos demais serviços públicos.

O Governo decidiu encerrar todas as Lojas de Cidadão, permanecendo apenas o atendimento por marcação nos demais serviços, revelou António Costa, após a reunião de Conselho de Ministros desta quinta-feira. Medida entra em vigor a partir desta sexta-feira e prolonga-se, pelo menos, durante 15 dias.

Em primeiro lugar, quanto aos serviços públicos, iremos proceder ao encerramento das Lojas de Cidadão“, revelou o primeiro-ministro, em conferência de imprensa, a partir de São Bento. Ao mesmo tempo, António Costa referiu que os restantes serviços públicos mantêm-se em funcionamento “exclusivamente por marcação“, tal como aconteceu na primeira vaga da pandemia.

Além das medidas relacionadas com o atendimento nos serviços públicos, o Executivo decidiu ainda suspender os prazos de todos os processos não urgentes nos tribunais, bem como encerrar as escolas. Nesse sentido, o Governo vai também reativar o apoio para os pais que tenham de faltar ao trabalho para ficar com os filhos, que equivale a 66% do rendimento.

O primeiro-ministro justificou as decisões com a prevalência da nova estirpe do vírus no país. “Registou-se um crescimento muito acentuado da presença desta estirpe”, que passou de uma prevalência de 8% para 20% no espaço de uma semana, referiu António Costa, apontando que as estimativas do Instituto Dr. Ricardo Jorge são de que a prevalência atinja os 60% “nas próximas semanas”.

Todas estas medidas entram em vigor a partir desta sexta-feira e ficam em vigor durante “os próximos 15 dias”, sublinhou António Costa. Ainda assim, o Chefe de Governo abriu a porta a que fossem prolongadas caso a situação epidemiológica do país assim o justifique.

(Notícia atualizada às 15h19)

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Lojas de Cidadão fecham, restantes serviços públicos só por marcação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião