Lacerda Sales defende vacinação de políticos em simultâneo com outros “serviços críticos”

O Secretário de Estado Adjunto e da Saúde destacou como, na sua ótica, a "atividade política" poderia ser inserida no grupo dos "serviços críticos" no que toca à vacinação.

O Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, considera que os responsáveis políticos, bem como os membros das forças de segurança, deveriam ter um acesso prioritário à vacinação.

Em declarações aos jornalistas esta manhã, Lacerda Sales destacou como, na sua ótica, a “atividade política” poderia ser inserida no grupo dos “serviços críticos”, nomeadamente numa altura que fica caracterizada pela Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, dotada de uma acrescida “responsabilidade”.

Nesse contexto, o Secretário de Estado Adjunto e da Saúde considerou que seria “razoável” ter os políticos a serem vacinados mais cedo, em simultâneo com “as forças de segurança, com os bombeiros”, considerando as diferentes fases constantes do plano de vacinação português contra a Covid-19.

Relembre-se que, neste âmbito, Francisco Ramos, coordenador do plano de vacinação contra a Covid-19 em Portugal, avançou ao Expresso que certos políticos e figuras soberanas do Estado se encontram, neste momento, de fora no acesso prioritário à vacinação, embora tal decisão esteja ainda a ser revista. As Forças Armadas, forças de segurança e os bombeiros estão também englobados nesta proposta, referiu o coordenador.

No que toca ao apelo recentemente feito à população portuguesa para que se disponibilizasse para doar sangue, recurso que tem vindo a escassear nos últimos tempos e que é sempre “preciso”, por exemplo, “nas unidades de cuidados intensivos”, Lacerda Sales destaca a existência de uma “resposta imediata” a esse mesmo pedido.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Lacerda Sales defende vacinação de políticos em simultâneo com outros “serviços críticos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião