FMI: menos estudos e mais foco na resposta à Covid-19

  • ECO
  • 5 Fevereiro 2021

A diretora geral disse aos funcionários da FMI para fazerem menos investigação, por causa da grande carga de trabalho necessária para ajudar os países na nova crise.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) disse aos seus economistas para concentrarem todos os recursos e orçamento da instituição na missão central de ajudar os países a lidar com os desafios da pandemia, avança a Bloomberg.

A diretora geral do FMI, Kristalina Georgieva, disse à sua equipa, em janeiro, para fazerem menos investigação — estudos e papers –, por causa da grande carga de trabalho necessária para ajudar os países a enfrentar o impacto económico da pandemia de Covid-19.

“Os nossos países membros enfrentam uma crise sem precedentes e o FMI e a sua equipa intensificaram [o trabalho] de uma forma sem precedentes”, disse o porta-voz Gerry Rice em resposta à Bloomberg.

A diretiva veio depois de o FMI ter recebido um número recorde de pedidos de empréstimos de emergência desde março de 2020, altura em que a Covid-19 foi considerada pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O FMI aprovou mais de 100 mil milhões de dólares (cerca de 83 mil milhões de euros) em financiamento para 85 dos seus 190 países membros. Esta situação levou a que a equipa do FMI trabalhasse mais do que nunca para lidar com a nova crise.

O FMI publica normalmente cerca de 300 papers por ano, cobrindo uma vasta gama de tópicos teóricos e analíticos, incluindo balança de pagamentos, questões monetárias e fiscais, liquidez global e desenvolvimentos económicos nacionais e internacionais. Os funcionários preocupam-se que, ao não se focarem nestes estudos, o FMI está a limitar o processo criativo e eventuais progressos científicos na área das políticas económicas.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

FMI: menos estudos e mais foco na resposta à Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião