Centros comerciais pedem apoio às rendas para os lojistas

  • Lusa
  • 12 Fevereiro 2021

Os centros comerciais defendem que os apoios criados pelo Governo para as rendas comerciais devem ser estendidos para as lojas inseridas nos shoppings.

A Associação Portuguesa de Centros Comerciais (APCC) apresentou ao Ministério da Economia um pedido para que o Estado apoie direta e indiretamente o pagamento de rendas pelos lojistas, segundo um comunicado. Isto porque os apoios criados pelo Governo para as rendas comerciais não estão disponíveis para as lojas localizadas dentro dos centros comerciais.

A entidade remeteu à tutela “um pedido de apoio semelhante ao praticado na grande maioria dos países europeus, em que o Estado contribui diretamente para o pagamento da renda do lojista ou indiretamente através de apoios aos lojistas dos centros comerciais”, para que “consigam fazer face aos seus custos fixos, nomeadamente as rendas, à semelhança do que existe para o comércio de rua”, lê-se na mesma nota. A APCC apela ainda a que a restauração presente nos centros comerciais possa “realizar serviço de take-away, à semelhança dos restaurantes de rua”.

A associação considera “fundamental que como condição da atribuição de apoios às rendas haja uma obrigação de manutenção de postos de trabalho e que Portugal adote critérios de atribuição de apoios, tal como é feito em praticamente todos os restantes países europeus” para “assegurar que os apoios sejam de facto destinados a quem realmente precisa”.

A APCC garante que até hoje “os centros comerciais portugueses foram os que mais apoiaram os seus lojistas em toda a Europa e que o têm feito sozinhos e sem quaisquer apoios”, salientando que, “apenas em 2020, os descontos já totalizaram mais de 600 milhões de euros o que torna a situação insustentável para as empresas de centros comerciais”.

A associação espera que sejam assim implementadas “medidas existentes para outros setores”, que eliminem o que considera ser “a discriminação a que os centros comerciais estão a ser sujeitos em Portugal”.

Na mesma nota, o presidente da APCC, António Sampaio de Mattos, disse que “o setor dos centros comerciais não pode continuar a ser discriminado em relação a outros setores económicos. Este é o único que tem suportado os custos da pandemia, apoiando financeiramente os lojistas, sobretudo através das rendas, sem qualquer apoio do Estado, ao contrário do que acontece com o comércio de rua”.

“Também não entendemos como é que em espaços com segurança reconhecida por várias instituições não se permite que os restaurantes possam fazer serviço de take-away, ao contrário dos restaurantes de rua. Não se entende esta discriminação”, remata.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Centros comerciais pedem apoio às rendas para os lojistas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião