Petróleo sobe 2,5% para máximos de junho e dá impulso à Galp

A portuguesa Galp Energia sobe 3,3% para 10,325 euros por ação e é mesmo a segunda maior valorização do setor na Europa.

Os maiores produtores de petróleo do mundo surpreenderam o mercado ao decidirem manter a oferta limitada e os preços da matéria-prima estão a reagir em alta. O brent negociado em Londres está em máximos de nove meses e o crude norte-americano de um ano após a decisão, enquanto as ações das petrolíferas acompanham os ganhos.

Os membros da Organização dos Países da Exportadores de Petróleo e aliados conhecidos como OPEP+ decidiram esta quinta-feira manter a produção inalterada, surpreendendo o mercado, que esperava um aumento na produção na ordem dos 1,5 milhões de barris diários. Em resultado, o brent sobe 2,5% para 68,39 dólares por barril, no valor mais elevado desde 8 de junho de 2020. Já o crude WTI ganha 2,15% para 65,20 dólares, em máximos de janeiro do ano passado.

À entrada da reunião, o ministro da Energia saudita, Abdulaziz bin Salman Al Saud, tinha reconhecido que o mercado petrolífero “melhorou”, mas sinalizou que é necessário “manter alguma da pólvora seca”. Também o vice-primeiro-ministro da Rússia reconheceu que o mercado petrolífero está “em muito melhor forma”, mas reiterou que ainda não recuperou completamente do impacto da pandemia na procura por petróleo e derivados.

“A Arábia Saudita e os aliados da OPEP+ chocou o mercado com a decisão de manter a oferta limitada, o que fez disparar os preços”, sublinham os analistas do CaixaBank / BPI, numa nota de research emitida na manhã desta sexta-feira. “Uma oferta de petróleo mais reduzida que o esperado deverá apoiar os preços do petróleo a curto prazo“.

Desempenho do brent e crude WTI

Fonte: Reuters

As empresas do setor petrolífero — que têm sido das mais penalizadas pela pandemia — estão a acompanhar o sentimento positivo. A portuguesa Galp Energia sobe 3,3% para 10,325 euros por ação e é mesmo a segunda maior valorização do setor na Europa. Fica apenas atrás da norueguesa Aker BP, que dispara quase 7%. A britânica BP sobe 2%, a holandesa Royal Dutch Shell ganha 1,3% e a francesa Total valoriza 1%.

O oil & gas contraria a tendência nas bolsas, que reagem em baixa ao discurso do presidente da Reserva Federal norte-americana. Jerome Powell disse na quinta-feira que está atento ao aumento das taxas de juro na dívida de longo prazo, mas garantiu que o banco central não está a tentar controlar a curva das yields.

As declarações não foram suficientes para apaziguar os receios face à subida dos juros da dívida. As yields das obrigações benchmark (ou seja, a dez anos) avançam — no caso de Portugal são 23 pontos base para 0,301% e no da Alemanha 37 pontos base para -0,294% — e o ouro e a prata recuam. Os dois metais preciosos desvalorizam nos mercados internacionais, onde o ouro está a perder 0,2% para 1.695,20 dólares por onça, em mínimos de nove meses.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Petróleo sobe 2,5% para máximos de junho e dá impulso à Galp

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião