Do comboio ao avião, transportes perderam até 70% dos passageiros em 2020

Num ano marcado pela pandemia, todos os transportes levaram menos pessoas. Diminuições começam nos 40% no caso de barcos e comboios e chegam aos 70% nos aviões.

Em 2020, num ano marcado pela pandemia, e como seria de esperar, todos os meios de transporte perderam passageiros. De acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgados esta terça-feira, as diminuições começam nos 40% no caso de barcos e comboios e chegam aos 70% nos aviões.

Entre janeiro e dezembro do ano passado, os aeroportos nacionais receberam menos 69,4% dos passageiros do que em 2019. No mesmo período, aterraram nos aeroportos nacionais 100.200 aeronaves em voos comerciais, o que representa uma descida de 56%. Em termos de carga e correio, o movimento ascendeu a 147.000 toneladas, uma quebra homóloga de 30,2%.

Numa análise por países de origem e destino, percebe-se que França liderou no número de passageiros, à frente do Reino Unido e da Alemanha. Contudo, o INE destaca que “o Reino Unido registou a maior redução no número de passageiros desembarcados e embarcados”, na ordem dos 75%, enquanto “Espanha evidenciou o segundo maior decréscimo em ambos os indicadores”.

Nem o metro, comboios e barcos escaparam à pandemia

A mesma tendência foi observada nos transportes públicos. Os dados preliminares do INE indicam que o metropolitano transportou menos 48% de pessoas do que em 2019, com o decréscimo mais acentuado a registar-se no metro de Lisboa (-50,5%). Os dados apurados do quarto trimestre de 2020 permitem perceber que, neste período, foram transportados 33,5 milhões de passageiros, o equivalente a uma descida de 54,7%.

A quebra foi mais acentuada no metropolitano de Lisboa (-58,8%), que transportou 20,5 milhões de pessoas, enquanto o Metro do Porto foi utilizado por 10,2 milhões de passageiros (-49,1%). O metro Sul do Tejo registou a menor redução (-33,9%) com o transporte de 2,9 milhões de passageiros.

No que diz respeito ao comboio, no último trimestre de 2020, o transporte ferroviário de passageiros caiu 42,3% para um total de 28,3 milhões de passageiros movimentados. Os dados preliminares de 2020 apontam para uma quebra de 38,4%, sobretudo no transporte internacional (-85,1%).

Ainda no quarto trimestre de 2020, o transporte de passageiros por via fluvial diminuiu 48,4%, atingindo os 2,8 milhões de passageiros, “resultado das medidas tomadas no combate à pandemia”, diz o INE. Os barcos do rio Tejo perderam 48,6% das pessoas, totalizando 2,6 milhões. Segundo os dados preliminares, na totalidade de 2020 perderam-se 42,7% dos passageiros, depois de um aumento de 6,7% em 2019.

(Notícia atualizada às 11h40 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Do comboio ao avião, transportes perderam até 70% dos passageiros em 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião