Perdas de 3,9 mil milhões com Archegos ditam saída de chefes de risco do Credit Suisse

Dois executivos seniores estão de saída do Credit Suisse à medida que o banco digere os prejuízos de 3,9 mil milhões de euros resultantes do colapso do fundo privado Archegos Capital Management.

O banco suíço Credit Suisse reportou que terá um impacto de 4,4 mil milhões de francos suíços (3,9 mil milhões de euros) devido aos prejuízos resultantes do colapso do fundo privado Archegos Capital Management. O banco reduziu os dividendos em dois terços e confirmou que os seus executivos do banco de investimento e gerentes de risco estão de saída do banco, avançou a Reuters.

Os visados são a diretora de risco Lara Warner e Brian Chin, chefe do banco de investimento. O banco atingido pelo escândalo espera agora registar prejuízos no primeiro trimestre de cerca de 900 milhões de francos suíços (812 mil milhões de euros).

“A perda significativa no nosso negócio de Prime Services relacionada com o fracasso de um fundo de cobertura baseado nos EUA é inaceitável”, disse Thomas Gottstein, chefe executivo do Credit Suisse, numa declaração. “Lições sérias serão aprendidas. O Credit Suisse continua a ser uma instituição formidável com uma história rica“, refere.

A queda da Archegos é o segundo grande escândalo para o Credit Suisse em pouco mais de um mês após o colapso do Capital da Greensill, com as ações do banco a caírem um quarto desde 1 de março. As ações do Credit Suisse caíram 1,5%.

O ano passado, o português Horta Osório foi nomeado para ser chairman do Credit Suisse, um dos maiores bancos do mundo, após dez anos à frente do Lloyds. É o primeiro banqueiro não suíço a sentar-se nessa cadeira.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Perdas de 3,9 mil milhões com Archegos ditam saída de chefes de risco do Credit Suisse

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião