Aegon UK pagou mais 17% sinistros Vida em ano de pandemia

  • ECO Seguros
  • 11 Abril 2021

A companhia indemnizou, em média, o equivalente a 118 mil euros por morte de titulares de apólices Vida no Reino Unido. Mais de 800 famílias e empresas foram indemnizadas.

A operação britânica da Aegon, grupo holandês maioritário na parceria ibérica de seguros com o grupo Santander, gastou 139,74 milhões de libras esterlinas, ou o equivalente a 164,12 milhões de euros em indemnizações de proteção pessoal relativas a um total de 1584 sinistros Vida, um número que correspondeu a 94% de todas as reclamações de sinistro recebidas pela companhia neste ramo de seguros, em 2020.

Com mais de 100 mil falecimentos causados pela pandemia do novo coronavírus no Reino Unido, “nada poderia demonstrar melhor a importância” de uma cobertura de seguro “do que os eventos do último ano”, afirmou Simon Jacobs, Underwriting and Claims Director, citado pela Cover Magazine.

Nos seguros de Vida, a companhia indemnizou 807 famílias e empresas, por um total de 81,3 milhões de libras, registando um incremento de 17% no volume de reclamações de sinistros (Vida) face a 2019. Em média, o capital indemnizado foi de 100.751 libras (cerca de 118 mil euros), com a idade média dos reclamantes/titulares calculada em 63 anos.

O cancro continuou como a causa de morte mais comum na liquidação das coberturas, representando 40% das reclamações/indemnizações do ramo Vida, logo seguido de patologias relacionadas com o coração (21%) e das mortes causadas por doenças do foro respiratório (14%). No entanto, enquanto a proporção de falecimentos por doença oncológica e do foro cardíaco se manteve em linha com o volume de ocorrências do ano anterior, a parcela de mortes por doenças relacionadas com função respiratória duplicou face aos 7% de 2019.

Admitindo que a doença causada pelo novo coronavírus (Covid-19) possa ter contribuído para um incremento dos sinistros no ramo Vida, isso não influenciou a totalidade.

De todas as reclamações que recebemos em coberturas Vida, o coronavírus constava como causa de morte em apenas 12% dos certificados de óbito” indicou Jacobs, admitindo ainda, como possível, que a Covid-19 possa, mesmo não constando como causa do falecimento na documentação do óbito, ter contribuído para um número maior de indemnizações.

A Aegon UK é uma das unidades de negócio consolidada pelo grupo Aegon NV, além da Aegon Américas e da Aegon International que, juntando Espanha e Portugal, integrava as operações (seguros pensões e gestão de ativos) em outros países europeus. Em finais de novembro de 2020, a atividade na região oriental da Europa (Polónia, Hungria, Roménia e Turquia) foi vendida à austríaca VIG, por 830 milhões de euros.

A operação em Portugal (Vida e não Vida) é desenvolvida em parceria com o grupo Santander, através de duas empresas em que a seguradora holandesa tem maioria do capital social.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Aegon UK pagou mais 17% sinistros Vida em ano de pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião