DBRS prevê início da retoma na UE no curto prazo, mas aceleração só em finais de 2021

  • Lusa
  • 20 Abril 2021

Segundo a DBRS, “quer a procura interna, quer a externa deverão propiciar a retoma, com a procura acumulada a dar um forte impulso, devido à poupança acumulada”.

Após um fraco início de ano, a DBRS prevê a curto prazo o início da recuperação económica da zona euro e uma aceleração ao longo do ano 2021, acompanhando o crescente ritmo de vacinação e a reabertura da economia.

“A DBRS Morningstar espera que a economia na zona euro recupere e acelere ao longo de 2021, à medida que avança a implementação dos planos de vacinação, reduzindo os internamentos hospitalares e permitindo a reabertura da economia, e os apoios fiscais e monetários se mantêm”, lê-se numa nota de análise divulgada esta terça-feira pela agência canadiana.

Segundo a DBRS, “quer a procura interna, quer a externa deverão propiciar a retoma, com a procura acumulada a dar um forte impulso, devido à poupança acumulada”. O início da implementação dos planos de recuperação dos vários governos “também deve impulsionar o crescimento”.

Ainda assim, a agência canadiana considera que “os riscos de novos atrasos ou retrocessos na contenção da pandemia continuam altos”. “Uma terceira vaga de novos casos de covid-19 obrigou recentemente a um endurecimento ou extensão das medidas de contenção do vírus em várias grandes economias, incluindo a França, Itália e Alemanha, atrasando a recuperação económica no curto prazo. Adicionalmente, devido a restrições a nível do abastecimento, a campanha de vacinação na União Europeia (UE) tem sido lenta, o que pode também atrasar a reabertura das economias”, nota.

Até meados de abril deste ano, refere, a parcela da população da UE que recebeu pelo menos uma dose de vacina estava próxima dos 17%, abaixo do Reino Unido e dos EUA. “Tal como destacamos nas nossas anteriores previsões, a recuperação económica tem sido acidentada e altamente dependente da evolução do vírus. Os casos de infeção em alguns países europeus aumentaram no final de 2020, o que levou ao regresso de algumas restrições mais rígidas. Os dados mostram que a atividade económica da zona euro no quarto trimestre de 2020 enfraqueceu e o PIB [Produto Interno Bruto] real diminuiu 0,7% no trimestre”, sustenta a DBRS.

Segundo a agência, “a contração no quarto trimestre refletiu parcialmente uma desaceleração algo mecânica, após uma recuperação mais forte do que o esperado no terceiro trimestre em algumas zonas da Europa”. Pela positiva, a DBRS Morningstar nota que “a contração no quarto trimestre foi menos intensa do que o esperado e em grande medida resultante de uma quebra no consumo privado e nas exportações líquidas”.

Recentemente, a agência diz ter-se tornado também “evidente uma divergência entre o setor dos serviços e o setor industrial”, com alguns serviços a continuarem a ser “severamente afetados pelas restrições e encerramentos”, enquanto a atividade industrial está “a recuperar, em parte suportada por uma procura externa mais forte”. Já o impacto da crise no desemprego “continua contido, graças aos apoios públicos”, com a taxa de desemprego da zona euro a aumentar “apenas moderadamente”, de 7,3% em fevereiro de 2020 para 8,3% em fevereiro de 2021.

Contudo, os dados mais recentes apontam para uma nova deterioração das condições do mercado de trabalho, prevendo o Banco Central Europeu (BCE) que a taxa de desemprego na zona euro suba até aos 8,6% este ano, antes de recuar para 8,1% em 2022.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

DBRS prevê início da retoma na UE no curto prazo, mas aceleração só em finais de 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião