Dona do IKEA investe 4.000 milhões adicionais na transição para as energias renováveis

  • Lusa
  • 20 Abril 2021

O Grupo Ingka, o maior retalhista da IKEA, a que pertence a IKEA Portugal, revelou que vai investir 4.000 milhões de euros adicionais na transição para as energias renováveis.

O Grupo Ingka, o maior retalhista da IKEA, a que pertence a IKEA Portugal, revelou esta terça-feira que vai investir 4.000 milhões de euros adicionais na transição para as energias renováveis.

Em comemoração do Dia da Terra, que se assinala na quinta-feira, o Grupo Ingka divulgou em comunicado, que vai “acelerar o seu investimento na transição para um futuro assente em energias renováveis”, através do compromisso de 4.000 milhões de euros adicionais.

O investimento irá apoiar a “redução da pegada climática” da empresa e permitirá uma “transição mais ampla para a neutralidade carbónica” da sociedade, tendo em vista um “mundo melhor, mais verde e mais justo” para todos, declara.

Na última década, o Grupo Ingka investiu 2.500 milhões de euros em energia renovável, nas suas instalações e em parques eólicos e solares, permitindo à empresa gerar mais energia renovável do que a que consome, a um nível global.

Nesse sentido, ao entrar numa “década crítica” para a ação climática, esta aceleração feita pela Ingka Investments, com 4.000 milhões de euros adicionais, assinala o “próximo passo” na direção de tornar a energia do grupo empresarial “100% renovável, em toda a sua cadeia de valor”.

O presidente executivo do Grupo Ingka, Jesper Brodin, afirmou, citado no comunicado, que se está na “década mais importante da história da humanidade”, em que as alterações climáticas “já não são uma ameaça distante”.

Assim, “todos devemos fazer a nossa parte para limitar o aquecimento global a 1,5°C”, defende.

E prosseguiu: “Se não agirmos, as consequências são muito graves e teremos riscos substanciais para os nossos negócios e para as pessoas”.

Realçou ainda que o grupo sabe que, com os “investimentos certos”, pode “fazer parte da solução e reduzir o impacto” no planeta, enquanto a empresa prepara “o negócio para o futuro”.

“Para nós, é um bom negócio ser um bom negócio”, concluiu.

A sueca IKEA está comprometida com o Acordo de Paris, assim como em contribuir para limitar o aumento do aquecimento global em 1,5°C, acima dos níveis pré-industriais.

Os investimentos vão concentrar-se no desenvolvimento de projetos eólicos e solares e vão ser considerados novos tipos de investimentos em áreas como o armazenamento de energia, o desenvolvimento de combustível de hidrogénio e infraestruturas de carregamento.

Recentemente, o Grupo Ingka anunciou a aquisição de uma participação de 49% em oito parques solares fotovoltaicos na Rússia, sendo a capacidade de energia destes parques igual a 160 megawatts (MW), o que irá disponibilizar eletricidade suficiente para abastecer todas as 17 lojas IKEA na Rússia, além de parte dos centros comerciais localizados neste país.

O Grupo Ingka, atualmente possui e administra 547 turbinas eólicas, 10 parques solares em 15 países e 935.000 painéis solares nos telhados das lojas e armazéns IKEA, elevando a sua energia renovável instalada total para mais de 1,7 gigawatts (GW).

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Dona do IKEA investe 4.000 milhões adicionais na transição para as energias renováveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião