Lisboa no top 10 das cidades com mais empregos apoiados pelos hóspedes da Airbnb

Em 2019, os hóspedes na Airbnb apoiaram mais de 13.300 empregos em Lisboa, incluindo 5.300 empregos na restauração e 3.900 empregos no retalho, de acordo com a análise da Oxford Economics.

A comunidade de hóspedes na Airbnb pode ser uma parte vital da recuperação económica de Lisboa. Em 2019, os gastos dos hóspedes no Airbnb em Lisboa apoiaram mais de 13.300 empregos em Lisboa, incluindo 5.300 empregos na indústria da restauração e aproximadamente 3.900 empregos na indústria do retalho, 1.600 empregos no setor dos transportes e 1.400 empregos no setor do entretenimento, de acordo com a análise da Oxford Economics.

Além disso, o estudo demonstra que o número de hóspedes no Airbnb que visitam Lisboa é diretamente proporcional ao apoio ao emprego. Estima-se que cada mil hóspedes no Airbnb que visitaram Lisboa apoiaram nove postos de trabalho, incluindo quatro no setor da restauração e três no setor do retalho, reforçando impacto económico desta plataforma.

Este estudo também evidencia o grande impacto positivo que os hóspedes no Airbnb têm tido na economia da cidade e o potencial no apoio da recuperação económica pós-pandemia. De acordo com um recente inquérito aos hóspedes na Airbnb, mais de 20% optaram por permanecer num alojamento disponível na plataforma porque queriam um espaço privado, sem lobbies de hotel ou elevadores partilhados.

Fonte: Oxford Economics

O Airbnb também ajuda a distribuir os lucros das viagens por Lisboa e pelos diferentes bairros fora das zonas hoteleiras tradicionais. Quase metade dos hóspedes desta plataforma dizem que provavelmente não teriam visitado o bairro em que ficaram se não tivesse existido um alojamento disponível através do Airbnb.

Por outro lado, os anfitriões do Airbnb mantêm até 97% do rendimento que obtém. O alojamento tem proporcionado uma importante fonte económica para muitos durante a pandemia. Cerca de 40% dos anfitriões consideravam os ganhos conseguidos como uma fonte adicional de rendimento necessário para permanecerem nas suas casas. Cerca de 50% dos anfitriões utilizaram o dinheiro ganho para melhorar a casa, reinvestindo na sua atividade ligada ao alojamento local, e mais de 15% utilizaram-no para poupar para a reforma.

Os novos anfitriões com apenas um alojamento disponível na Airbnb ganharam mais de 1,2 mil milhões de dólares através da plataforma no último ano.

As cidades enfrentam uma redução drástica nas receitas fiscais, economias turísticas devastadas e um elevado desemprego entre as indústrias dependentes do turismo. Devido à pandemia, o World Tourism&Travel Council (WTTC) estima que foram afetados, o ano passado, mais de 61 milhões de empregos em todo o mundo.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Lisboa no top 10 das cidades com mais empregos apoiados pelos hóspedes da Airbnb

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião