“Questões de urbanismo” justificam buscas da polícia na Câmara de Braga

A busca da Polícia Judiciária à autarquia bracarense serviu para “recolha de documentação” relativa a “questões de urbanismo”.

À semelhança da Câmara de Lisboa, que foi alvo de buscas no departamento de urbanismo, a Polícia Judiciária (PJ) realizou esta quarta-feira de manhã buscas na Câmara de Braga para recolher elementos relativos a processos urbanísticos.

Fonte da Polícia Judiciária explicou à Lusa que as buscas “não visam o atual nem o anterior executivo camarário”, acrescentando que a diligência se insere numa investigação em curso a cargo da PJ de Braga e que serviu para “recolha de documentação” relativa a “questões de urbanismo”.

Mais em concreto, segundo fonte oficial da Câmara de Braga, as buscas cingiram-se “ao gabinete do atual diretor municipal do Urbanismo, António Zamith Rosas”, que foi no passado vereador na Câmara de Vila Verde, concelho do distrito bracarense.

No entanto, a autarquia liderada pelo PSD esclareceu em comunicado “não ter conhecimento da natureza da investigação em curso, sublinhando que “prestou toda a colaboração” aos inspetores da PJ.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Questões de urbanismo” justificam buscas da polícia na Câmara de Braga

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião