Governo ataca Reino Unido sobre saída da lista verde: É “uma decisão cuja lógica não se alcança”

O Ministério dos Negócios Estrangeiros reagiu à decisão do Reino Unido de retirar Portugal da "lista verde" das viagens internacionais. É "uma decisão cuja lógica não se alcança", diz.

O Governo português não está contente com a decisão do Governo britânico de retirar Portugal da “lista verde” das viagens internacionais que permitia aos turistas britânicos virem a território nacional sem quarentena de 10 dias à chegada.

Tomamos nota da decisão britânica de retirar Portugal da ‘lista verde’ de viagens, uma decisão cuja lógica não se alcança“, reage o Ministério dos Negócios Estrangeiros esta quinta-feira na sua conta de Twitter, após o secretário britânico dos Transportes ter confirmado uma decisão que tinha sido avançada pela imprensa britânica.

O Governo acrescenta que “Portugal continua a realizar o seu plano de desconfinamento, prudente e gradual, com regras claras para a segurança dos que aqui residem ou nos visitam”.

O secretário dos Transportes, Grant Shapps, confirmou esta quinta-feira de tarde a decisão que estava a ser avançada pela imprensa britânica, explicando que se trata de uma “abordagem que coloca a segurança primeiro” e que “dá a melhor hipótese” de continuar o desconfinamento interno, cuja última fase arranca a 21 de junho. Shapps pediu “um pouco de paciência” à população, assinalando que “não quer correr o risco”.

Shapps disse ainda que Portugal duplicou a taxa de infeção desde a última decisão e que foi identificada uma mutação do Nepal à chamada variante indiana da Covid-19. “Não sabemos o potencial da vacina na defesa dessa mutação”, acrescentou.

Portugal vai passar a partir das 4h da próxima terça-feira, dia 8 de junho, para a “lista âmbar” do Reino Unido. O país era o único da União Europeia que constava da lista verde desde que os britânicos decidiram abrir as fronteiras para viagens de lazer a 17 de maio. Até ao momento, os turistas britânicos que vieram a Portugal nos últimos dias tiveram de apresentar um teste tanto à entrada como à saída, mas não foram obrigados a fazer uma quarentena de 10 dias.

Fazer parte da “lista âmbar” significa que os turistas britânicos terão de fazer 10 dias de quarentena à chegada do Reino Unido, realizando testes à Covid-19 no segundo e no oitavo dia após a chegada. Esse período pode ser encurtado caso tenham um segundo teste negativo no quinto dia. Apesar disso, esta regra desencoraja viagens para os países que constam nesta lista “âmbar”.

Há ainda uma situação pior que é a lista vermelha, composta por mais de 30 países, em que os turistas britânicos têm de cumprir a mesma quarentena e testes, mas são obrigados a ficar em hotéis designados para o efeito com um custo de 1.750 libras por adulto.

(Notícia atualizada às 17h08 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Governo ataca Reino Unido sobre saída da lista verde: É “uma decisão cuja lógica não se alcança”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião