Task force apresenta queixa à Polícia Judiciária e Inspeção-Geral da Saúde por vacinação indevida

A task force apresentou uma queixa à Polícia Judiciária e à Inspeção-Geral da Saúde da região Norte por suspeitas de vacinação indevida no Centro de Vacinação do Cerco, no Porto.

O coordenador do plano de vacinação contra a Covid revelou esta sexta-feira que a task force avançou com uma queixa à Polícia Judiciária (PJ) e à Inspeção-Geral da Saúde da região Norte por suspeitas de vacinação indevida no Centro de Vacinação do Cerco, no Porto. “Isto consagra uma desobediência clara ao plano”, aponta Henrique Gouveia e Melo. Entretanto, este caso já levou à suspensão da diretora do agrupamento de centros de saúde do Porto Oriental, avança a Sic Notícias (acesso livre).

A polémica estalou após a apresentadora Maria Cerqueira Gomes, de 38 anos, e a filha Francisca Cerqueira Gomes, de 18, terem revelado, através das redes sociais, que tinham sido vacinadas contra a Covid-19. Recorde-se que a vacinação das faixas etárias “acima dos 18 anos” só vai arrancar a 4 de julho, segundo revelou na terça-feira Gouveia e Melo.

Perante as suspeitas de vacinação indevida, a Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte abriu um inquérito, para apurar as circunstâncias do caso. Além disso, o coordenador do plano de vacinação confirmou esta sexta-feira que o organismo apresentou uma queixa à PJ e à Inspeção-Geral da Saúde da região Norte para procederem a uma investigação.

Falei com o presidente da ARS norte para que imediatamente se tomassem providências para que isto [casos de vacinação indevida] não voltasse a acontecer e que se tirassem todas as consequências deste ato”, referiu ainda Gouveia e Melo, após visita oficial a Porto Santo, na Madeira, em declarações transmitidas pelas televisões.

O vice-almirante explicou ainda que tem uma equipa que regista “todos os eventos” que possam ser suspeitos e faz diversas queixas e participações, mas nunca tiveram “um caso desta dimensão”. “Isto consagra uma desobediência clara ao plano”, sinaliza, acrescentando que tendo em conta a “complexidade” e “urgência” do processo “tem de haver disciplina”.

“Alguém, com responsabilidade, resolve inovar e vacinar pessoas que não estão, neste momento, elegíveis para vacinação. Ninguém está livre, numa organização, de alguém de dentro resolver fazer uma coisa deste género”, explicou Gouveia e Melo.

Questionado pelos jornalistas sobre uma eventual “punição exemplar” da responsável pelos centros de saúdes em causa, o coordenador esclarece que não pode “demitir as pessoas” mas pediu “à estrutura para tirar as consequências rapidamente”. Entretanto, as suspeitas de vacinação indevida levaram à suspensão da diretora do agrupamento de centros de saúde do Porto Oriental, segundo avança a Sic Notícias.

(Notícia atualizada às 11h38)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Task force apresenta queixa à Polícia Judiciária e Inspeção-Geral da Saúde por vacinação indevida

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião