Crise dos chips reduz em quase um terço a produção de automóveis em Portugal

A produção automóvel em Portugal caiu 29,5% em junho deste ano, face ao mês homólogo, mas a queda é ainda maior quando comparado com junho de 2019.

A crise de chips, que está a afetar o mundo inteiro, também está a ter consequências em Portugal. A produção automóvel caiu 29,5% em junho, face ao mês homólogo, revelou a Associação Automóvel de Portugal (ACAP). Reduziu-se em quase um terço face ao ano passado, sendo que a queda é ainda maior (43,6%) quando comparada com junho de 2019, antes da pandemia.

Em junho de 2021, foram produzidos em Portugal 16.170 veículos automóveis, menos 29,5% face ao mesmo mês de 2020. Porém, a queda é mais acentuada (43,6%) quando se compara com junho de 2019, pois como relembra a ACAP, assim é possível “ter uma ideia mais exata do impacto da pandemia na produção automóvel”. De recordar que a pandemia se iniciou no final de 2019 e o primeiro caso foi confirmado em Portugal em março de 2020.

No entanto, “para o resultado negativo registado em junho terá contribuído essencialmente a atual crise no fornecimento de semicondutores [chips] que afeta a indústria automóvel a nível mundial”, indica a associação.

“Em termos acumulados, no primeiro semestre de 2021, saíram das fábricas instaladas em Portugal 152.267 veículos, ou seja, mais 29,8% do que nos primeiros seis meses de 2020, mas menos 17,3% do que em igual período de 2019″ revela ainda a ACAP.

São os ligeiros de passageiros que lideram em número total, tendo sido produzidos em Portugal mais de 11 mil destes veículos em junho (-35% face a junho de 2020) e mais de 122 mil no primeiro semestre do ano (+29% face ao primeiro semestre de 2020).

Apesar de os ligeiros de passageiros serem os mais produzidos, o destaque vai para o crescimento percentual dos veículos pesados. Foram produzidos 518 em junho, o que corresponde a mais 105% face ao mês homólogo e mais 89% quando comparado com junho de 2019. No total do primeiro semestre foram produzidos 2.180 veículos pesados, ou seja, mais 49,2% face ao primeiro semestre de 2020, mas ainda assim menos 24% face aos primeiros seis meses de 2019.

Segundo a ACAP, “a Europa continua a ser o mercado líder nas exportações dos veículos fabricados em território nacional – com 87,3% – com a Alemanha (15,8%), França (14,7%), Itália (13,6%), Espanha (12,0%) e Reino Unido (7,2%) no topo do ranking”.

Quanto à montagem de veículos pesados em Portugal, “em junho de 2021 foram montados 18 veículos
pesados, tendo representado um decréscimo de 83,6% face a igual mês do ano de 2020”. No primeiro semestre do ano foram montados 124 veículos pesados, uma queda de 70,8%. Destes 124, 35 (28,2%) foram exportados, todos eles para a Alemanha.

(Notícia atualizada pela última vez às 16h16)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Crise dos chips reduz em quase um terço a produção de automóveis em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião