Crédito ao consumo caiu 22,5% em ano de pandemia

  • Lusa
  • 22 Julho 2021

Esta "significativa diminuição do número de contratos celebrados e do montante de crédito concedido" colocou um travão no crescimento que se observava desde 2013, diz o relatório divulgado pelo BdP.

O Banco de Portugal (BdP) divulgou esta quinta-feira que o montante de crédito ao consumo caiu 22,5% em 2020, tendo o número de contratos se reduzido em 23,9%, num ano marcado pela pandemia de Covid-19.

“No contexto da pandemia de Covid-19, o mercado de crédito aos consumidores registou, em 2020, uma significativa diminuição do número de contratos celebrados e do montante de crédito concedido, interrompendo a tendência de crescimento que se verificava desde 2013″, pode ler-se no Relatório de Acompanhamento dos Mercados Bancários de Retalho de 2020, conhecido esta quinta-feira.

Em média, foram concedidos 490,3 milhões de euros por mês, “o que compara com uma média 632,8 milhões de euros, em 2019”, sendo que o montante de crédito concedido foi semelhante ao de 2016.

“O número médio de contratos celebrados por mês também diminuiu (de 133.264, em 2019, para 101.419 contratos, em 2020)”, refere o Banco de Portugal.

Por tipo de crédito, o montante “diminuiu 30,2% no crédito pessoal, 15,1% no crédito automóvel e 18,4% no crédito ‘revolving’ [renovável]”.

“Metade do montante foi concedido através de intermediários de crédito, tendo a preponderância destas entidades no mercado aumentado relativamente a 2019”, refere o Banco de Portugal.

Quanto ao custo do crédito, “diminuiu ligeiramente, medido pela TAEG [Taxa Anual de Encargos Efetiva Global] média de mercado no quarto trimestre, que se reduziu 0,1 pontos percentuais em relação ao período homólogo”.

“Esta redução refletiu diminuições no custo do crédito ‘revolving’ [renovável] e automóvel, parcialmente compensadas pelo aumento da TAEG média no crédito pessoal”, explica o banco central.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Crédito ao consumo caiu 22,5% em ano de pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião