Legislação é o principal obstáculo à economia circular para 40% das empresas

Estudo da CIP identifica a legislação, os processos de desclassificação de resíduos difíceis e demorados e as questões económicas como os principais obstáculos das empresas rumo à Economia Circular.

A opinião é unânime: quase 100% das empresas portuguesas consideram como uma grande vantagem competitiva adotar uma abordagem de Economia Circular na forma como adquirem, produzem e vendem os seus produtos. No entanto, são menos de 20% as que admitem integrar sempre ou quase sempre os princípios da Economia Circular na tomada de decisões estratégicas para reduzir os seus impactos ambientais. E identificam as barreiras que provocam esta enorme diferença entre a teoria e a prática.

Para quase 40% das empresas, a legislação e o enquadramento regulamentar, a par das questões económicas e financeiras, são os dois principais obstáculos à implementação de processos de circularidade por parte das organizações portuguesas, de acordo com um inquérito realizado pela CIP em parceria com a EY-Parthenon e cujos resultados preliminares foram agora revelados.

37,1% das quase 200 empresas ouvidas identificou assim a legislação e o enquadramento regulamentar, nomeadamente devido a regulamentação complexa (80%) e processos de desclassificação de resíduos difíceis e demorados (61%) como as barreiras mais restritivas à implementação de estratégias de circularidade.

Também as questões económicas e financeiras foram identificadas como um dos principais obstáculos por 35,6% das empresas, desde logo devido à necessidade de investimento de longo prazo (64%) e de adoção de processos de gestão e planeamento mais dispendiosos devido à aplicação de práticas mais complexas (57%).

As questões técnicas são classificadas igualmente como um tema muito restritivo por parte de 31,1% das empresas. As justificações mais apontadas pelas empresas foram a necessidade de adoção de tecnologias específicas (como por exemplo, reciclagem) para a criação de produtos circulares e de sistemas de produção circulares, mantendo o nível de qualidade ou segurança dos produtos (70%) e a necessidade de maior know-how e conhecimento tecnológico (56%).

“Este inquérito, cujos resultados são ainda preliminares [a versão final está prevista para setembro], torna óbvia a necessidade de termos procedimentos mais simples e mais céleres para a utilização de matérias-primas secundárias, além de clarificação regulatória sobre os vários mecanismos de desclassificação de resíduos para subprodutos”, sublinha Sílvia Machado, assessora sénior da CIP para a área de Ambiente & Clima.

Praticamente todas as empresas respondentes (97%) consideram ser uma vantagem competitiva as empresas terem uma abordagem de economia circular na forma como adquirem, produzem e vendem produtos. A grande maioria das empresas considera a escassez de recursos naturais muito crítica (41%) ou crítica (25,3%) para o funcionamento contínuo do negócio.

As estratégias de economia circular são encaradas como uma solução para mitigar a escassez de recursos naturais por mais de metade dos respondentes considerados. No entanto, apenas 19%, de um total de 194 empresas, integra quase sempre a economia circular na tomada de decisões estratégicas para reduzir os seus impactos ambientais.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Legislação é o principal obstáculo à economia circular para 40% das empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião