Regresso ao escritório? Google e Washington Post exigem que funcionários estejam vacinados

Com a obrigatoriedade da vacina contra a Covid-19 para todos os funcionários federais a ser considerada, há empresas nos EUA que já estão a exigir a vacinação completa aos seus colaboradores.

Com a propagação da Covid-19 nos Estados Unidos e com o presidente Joe Biden a admitir que está a ser considerada a obrigatoriedade da vacina para todos os funcionários federais, há empresas que começam também a exigir aos seus colaboradores a vacinação completa. A Google e o Washington Post já deram o sinal ao mercado.

O Google anunciou esta quarta-feira que os funcionários que voltem ao escritório terão de estar já vacinados. Além disso, o regresso à tecnológica foi novamente adiado, desta vez para meados de outubro, por causa do disparo de infeções com a variante Delta. Vacinação que não se restringe aos Estados Unidos, já avisou o CEO da companhia, Sundar Pichai.

“Ser vacinado é uma das formas mais importantes de nos mantermos a nós e às nossas comunidades saudáveis nos próximos meses”, escreveu o Sundar Pichai, CEO da Google, numa comunicação enviada a todos os colaboradores, à qual o The New York Times teve acesso. E esclareceu que a obrigatoriedade da vacinação aplica-se aos escritórios nos Estados Unidos já “nas próximas semanas”, mas vigorará também noutras regiões “nos próximos meses”.

Com mais de 144 mil trabalhadores espalhados por todo o mundo, a tecnológica não tem ainda taxas de vacinação para partilhar, mas Sundar Pichai afirma estar contente com os números “muito elevados” de funcionários que já contam com a vacinação completa.

Os escritórios da Google são pensados para o trabalho híbrido, potenciando a colaboração e juntando os ambientes presencial e remoto.Google

Já sobre o regresso ao escritório, que estava previsto para setembro, o líder da Google disse que seria adiado até 18 de outubro. “Reconhecemos que muitos googlers estão a assistir a picos [de casos Covid-19] nas suas comunidades, causados pela variante Delta, e estão preocupados com o regresso ao escritório. Esta extensão dar-nos-á tempo para voltar ao trabalho, proporcionando ao mesmo tempo flexibilidade para aqueles que ainda precisam da vacina”, escreveu na mesma nota.

À semelhança da Google, o Washington Post anunciou, logo no início da semana, que os seus trabalhadores terão de apresentar, até meio de setembro, um certificado de vacinação para poderem voltar ao local de trabalho, à exceção dos funcionários que possuam preocupações religiosas ou quadros médicos especiais.

“Embora a maioria dos funcionários do Washington Post já tenham apresentado prova de vacinação, não tomo esta decisão de ânimo leve. Contudo, ao considerar as graves questões de saúde e as genuínas preocupações de segurança de tantos colaboradores, creio que é o plano mais correto”, disse Fred Ryan, editor e CEO da publicação americana que pertence a Jeff Bezos.

O plano é reabrir a redação do Washington Post para todos os funcionários — que estejam vacinados — a 13 de setembro, num regime híbrido, no qual cada pessoa vai ao local de trabalho três vezes por semana, avança a Reuters.

Biden admite que vacinação obrigatória dos funcionários federais “está a ser considerada”

As novas regras de vacinação nestas empresas são consequência do grande aumento de novos casos de Covid-19 nos Estados Unidos, atribuídos à variante Delta do coronavírus SARS-CoV-2, identificada como mais transmissível e mais resistente.

Uma decisão no mundo corporativo depois de Joe Biden ter admitido que tornar a vacina contra a Covid-19 obrigatória para todos os funcionários federais do país é uma possibilidade que “está a ser considerada”. O presidente anunciou-o quando interpelado por um jornalista à margem de uma visita ao gabinete do diretor dos serviços de informações dos EUA, em Washington.

Centro de Vacinação de Oeiras - 15FEV21

“Temos visto um aumento da vacinação nos últimos dias, mas precisamos de fazer melhor. Na quinta-feira, irei apresentar novos passos do nosso esforço para vacinar mais americanos”, disse o chefe de Estado, citado pelo The Wall Street Journal.

Ainda esta terça-feira o Departamento para os Assuntos dos Veteranos anunciou também que iria passar a exigir aos seus profissionais de saúde que fossem vacinados contra a Covid-19, tornando-se a primeira agência norte-americana federal a assumir tal medida.

Jen Psaki, porta-voz da Casa Branca, não descartou a hipótese de mais agências federais aplicarem este requisito, acrescentando na mesma ocasião que a administração norte-americana “vai continuar a procurar formas de proteger a (sua) força de trabalho e de salvar mais vidas”.

As autoridades do estado norte-americano da Califórnia e da cidade de Nova Iorque tinham já anunciado esta segunda-feira que todos os seus funcionários públicos, incluindo professores, agentes policiais, bombeiros ou profissionais de saúde terão de estar vacinados contra a Covid-19 ou terão de realizar testes de diagnóstico semanais.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Regresso ao escritório? Google e Washington Post exigem que funcionários estejam vacinados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião