Escassez de chips atrasa entrega de portáteis e faz subir os preços

  • ECO
  • 17 Agosto 2021

Devido à falta de chips, a entrega de portáteis, telemóveis e outros equipamentos eletrónicos estão a demorar cerca de cinco meses. Para além do atraso na entrega, os preços estão a disparar.

Depois do drama na indústria automóvel, agora são os fabricantes de e computadores portáteis, telemóveis e outros equipamentos eletrónicos de consumo que estão a fazer soar o alarme. Devido à falta de chips, os prazos de entrega chegam a demorar cerca de cinco meses. E fruto do aumento do preço de alguns componentes, os preços destes equipamentos estão a disparar, avança o Cinco Días (acesso livre).

A situação está a piorar de dia para dia. “É uma situação muito complicada porque o prazo para entregar a mercadoria era de 45 dias ou dois meses no máximo, e agora, em muitos casos, já passou para quatro ou cinco meses. É um atraso muito significativo, que tem um impacto muito negativo na indústria dos portáteis”, disse um executivo sénior do setor ao jornal espanhol.

Alberto Ruano, diretor-geral da Lenovo Espanha, destaca que a sua empresa e outras não estão a concorrer a alguns concursos públicos porque as autoridades estão a penalizar os fornecedores por não cumprirem os prazos de entrega. “É muito triste, porque eles estão perfeitamente conscientes da situação que estamos a atravessar, não só devido à falta de semicondutores mas também a uma forte procura de computadores como resultado da pandemia, que impulsionou o teletrabalho e a educação e entretenimento baseados na Internet”.

A HP perdeu 11,3% nas vendas de portáteis, enquanto na Microsoft as vendas caíram 20% entre abril e junho devido a problemas na cadeia de fornecimento. O CEO da Apple já tinha relatado que a escassez global de semicondutores tinha atrasado a produção de MacBooks e iPads.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Escassez de chips atrasa entrega de portáteis e faz subir os preços

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião