Bancos fecharam 655 balcões em 2020. Perderam mais de 2.000 trabalhadores

A banca portuguesa cortou mais de 2.000 postos de trabalho e fechou 655 balcões no ano da pandemia. Ajustamento aconteceu sobretudo na atividade externa.

A banca portuguesa perdeu mais 2.000 trabalhadores e fechou 655 balcões em 2020, revelou o Banco de Portugal, num ajustamento que não vai ficar por aqui. Várias instituições estão a executar planos de saídas agressivos, incluindo BCP e Santander, que também vão passar por despedimentos coletivos.

Mais de 1.300 saídas ocorreram na atividade externa dos bancos, na sequência também da venda de operações internacionais, enquanto outras 700 saídas aconteceram no negócio em Portugal, detalham as séries longas do setor bancário português, que foram atualizadas esta terça-feira pelo supervisor.

O mesmo se passou em relação às agências: há menos balcões sobretudo lá fora, sendo que fecharam 202 em Portugal no ano passado.

Neste momento, há vários bancos com planos de saída em curso, e que poderão abranger mais de 3.000 trabalhadores. Na passada sexta-feira, o Santander anunciou que vai avançar com rescisões unilaterais depois de ter falhado acordo com 350 trabalhadores de um total de 685. O BCP também tem em curso um plano de saídas de 800 a 900 trabalhadores, assim como o Banco Montepio e o Novo Banco.

Os bancos têm justificado a redução de pessoal com a quebra do negócio e a crescente utilização do digital por parte dos clientes, que vão cada vez menos às agências. Estas tendências foram aceleradas com a pandemia.

Entradas e saídas na banca desde 1993

Fonte: Banco de Portugal

Quase 18.000 saíram na última década

Na verdade, o ajustamento verificado no ano da pandemia tem uma década. Desde o resgate financeiro a Portugal, saíram dos bancos portugueses mais de 18.000 trabalhadores, uma redução de quase 23% em relação aos mais de 80 mil funcionários em 2011 (máximo histórico).

Quanto ao número de balcões, o corte foi ainda mais expressivo neste período: passou de 8.003 agências em 2011 para 4.868 agências no final do ano passado, o que representa uma redução de 40% no espaço de quase uma década.

(Notícia em atualizada pela última vez às 11h44)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Bancos fecharam 655 balcões em 2020. Perderam mais de 2.000 trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião