Sindicatos avançam com greve este mês se BCP e Santander mantiverem despedimentos

  • Lusa
  • 7 Setembro 2021

Sindicatos do setor bancário decidiram pedir com "caráter de urgência" reunião com as administrações do BCP e do Santander para "exigir o fim imediato de qualquer intenção de despedimento coletivo".

Os sindicatos do setor bancário disseram, em comunicado, que marcarão uma greve conjunta ainda em setembro se BCP e Santander Totta mantiveram a intenção de fazer despedimentos.

Os sindicatos representativos dos bancários estiveram reunidos esta terça-feira e, segundo comunicado divulgado, decidiram pedir com “caráter de urgência” reunião com as administrações do BCP e do Santander Totta para “exigir o fim imediato de qualquer intenção de despedimento coletivo ou de figuras análogas”.

Se os bancos não recuarem nos despedimentos, afirmam os sindicatos que “irão declarar uma greve conjunta, a realizar ainda no corrente mês de setembro”.

O pedido de reunião é feito pelos sindicatos Mais Sindicato, SBN – Sindicato dos Trabalhadores do Setor Financeiro, Sindicato dos Bancários do Centro (os três afetos à UGT), SINTAF (ligado à CGTP), Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários e Sindicato Independente da Banca (os dois independentes) e apoiado pelo Sindicato de Trabalhadores das Empresas do grupo Caixa Geral de Depósitos.

Os principais bancos portugueses estão a reduzir milhares de trabalhadores este ano (depois de o setor bancário ter cortado cerca de 15 mil postos de trabalho entre 2009 e 2020), sendo BCP e Santander Totta os que têm processos mais agressivos, incluindo com intenção de despedimentos coletivos.

O BCP anunciou, há duas semanas, que vai avançar para o despedimento de até 100 trabalhadores, depois de ter chegado a acordo com cerca de 800 funcionários para saídas por acordo (reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo).

Já o Santander disse numa nota interna, em 20 de agosto, que não chegou a acordo para a saída de 350 trabalhadores, de um total de 685 inicialmente previstos, e vai agora avançar com um “processo unilateral e formal” a partir de setembro.

Os sindicatos têm acusado os bancos de repressão laboral e de chantagem para com os trabalhadores, considerando que os estão a forçar a aceitar sair por rescisão ou por reforma antecipada. Isto ao mesmo tempo que os bancos têm elevados lucros, acrescentam.

Os sindicatos também se têm reunido com o poder político, com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, grupos parlamentares e governantes, para pedir a sua intervenção contra os despedimentos. Para já, contudo, se houve alguma intervenção junto dos bancos não foi pública.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Sindicatos avançam com greve este mês se BCP e Santander mantiverem despedimentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião