BCE mais confiante com retoma da Zona Euro. Economia cresce 5% este ano e regressa a nível pré-pandemia

Instituição vê atividade económica na zona da moeda única a regressar aos níveis pré-pandemia no final do ano. Já a inflação vai continuar abaixo dos 2% até 2023, pelo menos.

Com as campanhas de vacinação em fase avançada em muitos países, que permitiram abrir as economias, o Banco Central Europeu (BCE) vê a atividade económica na Zona Euro a regressar aos níveis pré-pandemia no final do ano. A instituição está mais otimista em relação à retoma, e antecipa um crescimento de 5% este ano, acima dos 4,6% que previa em junho.

A economia “deverá superar o nível da pré-pandemia até final do ano”, declarou Christine Lagarde esta quinta-feira em conferência de imprensa após a reunião do conselho de governadores ter decidido uma redução dos estímulos.

“Com mais de 70% dos adultos europeus totalmente vacinados, a economia já abriu em larga medida, permitindo que os consumidores gastem mais e as companhias aumentem a produção”, explicou a presidente da autoridade monetária, antes de destacar que a variante Delta pode atrasar a retoma que, ainda assim, vê com maior vigor do que há três meses.

Apesar de melhorar as perspetivas económicas para este ano, os anos seguintes mantêm basicamente as anteriores projeções: a Zona Euro cresce 4,6% em 2022 (ligeiramente abaixo dos 4,7% da anterior previsão) e cresce 2,1% em 2023 (em linha com os 2,1% previstos em junho).

Em relação à inflação, Lagarde avisou que os preços vão registar uma subida acentuada durante este outono, mas sublinhou que este pico é “temporário” devido a uma série de fatores, como a escassez de matérias-primas e disrupções da cadeia de fornecimentos, adiantando que vai continuar abaixo da meta de 2% a médio prazo.

Para este ano, a instituição projeta uma taxa de inflação de 2,2%, acima dos 1,9% que previa antes. Também reviu em alta a inflação para 2022 e 2023, para 1,7% e 1,5%, respetivamente.

“Resumindo, a economia da Zona Euro está claramente em recuperação. Contudo, a velocidade da retoma continua a depender do curso da pandemia e dos avanços na vacinação”, rematou Lagarde, assegurando que a subida da inflação é “largamente temporária” e que as medidas anunciadas pelo banco central irão recolocar a economia num caminho de recuperação sustentável e, “em último caso” puxar a inflação para o objetivo dos 2%.

O BCE anunciou esta quinta-feira que vai reduzir “moderadamente” o ritmo de compras de dívida no âmbito do seu programa de estímulos que lançou para responder à pandemia. Deverá passar a comprar entre 60 mil milhões a 70 mil milhões de euros por mês em títulos de dívida dos governos por mês, abaixo dos 80 mil milhões dos últimos dois trimestres, antecipam os analistas.

(Notícia atualizada às 14h36)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

BCE mais confiante com retoma da Zona Euro. Economia cresce 5% este ano e regressa a nível pré-pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião