Moedas aquém do resultado do PSD e CDS em 2017

  • ECO
  • 23 Setembro 2021

Medina também piora o resultado face a 2017, segundo uma sondagem do Público, necessitando novamente do Bloco ou da CDU para ter um executivo com maioria.

O ex-comissário europeu não deverá conseguir melhorar o resultado que PSD (Teresa Leal Coelho) e CDS (Assunção Cristas) registaram em 2017: segundo o estudo de opinião conduzido pelo Centro de Sondagens da Universidade Católica Portuguesa (Cesop) para oPúblico (acesso condicionado) e para a RTP, Carlos Moedas deverá ficar com 28% dos votos, aquém dos 31% alcançados em 2017 pelas duas candidatas. Porém, na realidade, a direita poderá melhorar o seu resultado uma vez que a Iniciativa Liberal, que decidiu não se juntar a Moedas, poderá chegar aos 5% e eleger um vereador.

Fernando Medina, em coligação com o Livre (Rui Tavares), não irá além dos 37%, pior do que os 42% registados há quatro anos. Sem maioria absoluta, o PS terá de negociar um acordo com o PCP ou o BE, ou ambos. A CDU deverá obter 11% dos votos, mais do que os 9,5% de 2017, podendo eleger entre um a dois vereadores. Já o Bloco de Esquerda deverá manter-se na casa dos 7%, com um vereador. Tanto o PAN como o Chega têm 3% e não deverão conseguir eleger.

A esmagadora maioria dos inquiridos (74%) acredita que a vitória será da coligação Mais Lisboa, liderada por Medina, e apenas 4% acreditam que a vitória será da coligação Novos Tempos, liderada por Moedas. O estudo de opinião permite ainda perceber que, quanto à transferência de votos, 18% dos que votaram Bloco e 7% dos que votaram na CDU escolhem agora a coligação PS/Livre. A Iniciativa Liberal tira dez pontos percentuais aos votos de 2017 do PSD e CDS e dois pontos ao Bloco.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Moedas aquém do resultado do PSD e CDS em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião