Patrões do Minho falam em “princípio do colapso” com custos da energia

A Associação Empresarial do Minho relata casos de empresas que viram a fatura energética duplicar, arriscando a posição competitiva na exportação e “em casos mais extremos a viabilidade dos negócios".

É com “profunda preocupação” que a Associação Empresarial do Minho (AEMinho) está a acompanhar o aumento dos preços da energia, relatando casos de empresas que já viram a fatura energética duplicar.

“Num tecido empresarial em que [a energia] chega a representar 30% a 40% dos custos de produção, o aumento completamente exponencial dos preços pode representar o princípio do colapso da competitividade das empresas portuguesas, nomeadamente do setor industrial”, adverte.

Através de comunicado, a associação liderada por Ricardo Costa fala no agravamento de uma situação que já era difícil pelo contexto da pandemia, pela carga fiscal e pelo “aumento desconexo” dos combustíveis. E que “coloca em risco” o posicionamento das empresas face aos concorrentes internacionais e, “em casos mais extremos, a viabilidade dos seus negócios”.

Gonçalo Castro (Grupo Pinto Brasil), Ricardo Salgado (DSTelecom), Isabel Carneiro (Polopique), Ricardo Costa (Grupo Bernardo da Costa) e Ramiro Brito (Grupo Érre), membros da comissão executiva da AEMinho.

“A questão dos recursos energéticos e da energia abre-nos caminho para um mundo que será mais sustentável e equilibrado, mas esta transição está ainda hoje a começar, a dar os primeiros passos, pelo que contar com os seus efeitos a curto prazo para serem uma ferramenta que dê resposta a estas dificuldades é pura demagogia e representa um afastamento gigante em relação àquilo que é a realidade do país”, critica a AEMinho.

No dia em que o Governo vai aprovar uma primeira versão da proposta de Orçamento para 2022, os patrões do Minho avisam ainda que “é urgente e imperativo que o Estado não sobrecarregue recorrentemente as empresas e a atividade económica como forma de se financiar, engordando a sua tecnoestrutura e fragilizando a economia real, que acrescenta riqueza e cria emprego”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Patrões do Minho falam em “princípio do colapso” com custos da energia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião