“Por muito que nos custe, os preços dos combustíveis vão aumentar nos próximos anos”, diz Siza Vieira

O ministro da Economia assume que os combustíveis fosseis "vão aumentar nos próximos anos" e que para colmatar o problema, Portugal tem que tornar-se "mais competitivo nas energias renováveis".

Os preços dos combustíveis não param de aumentar. E o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, admite que “por muito que custe, o preço dos combustíveis fósseis vão aumentar nos próximos anos”. Para o ministro da Economia, parte da solução passa por “reduzir a dependência do exterior” e tornar Portugal “mais competitivo nas energias renováveis”.

Por muito que nos custe os combustíveis fosseis vão aumentar os preços nos próximos anos é por isso que o esforço que estamos a fazer passa por reduzir a nossa dependência energética do exterior. Sempre que compramos combustível fósseis estamos a endividar-nos perante o exterior. Em segundo lugar, aumentar e tornar mais competitivos os custos das energias renováveis e da hidrogenação da nossa faturação energética”, diz Siza Viera.

Siza Viera lembra ainda que mesmo que fosse possível reduzir nas margens os custos fiscais que incidem sobre os combustíveis fosseis, “não não podemos equivocar: eles vão continuar a subir o seu preço nos próximos anos e isso vão afetar toda a economia mundial”.

Para o ministro da Economia a “preocupação passa por manter a estabilidade no quadro fiscal aplicado aos combustíveis”. “O custo dos combustíveis tem variado em função da flutuação dos preços do petróleo nos mercados, aquilo que são os custos de refinação e os custos de comercialização. Não houve até ao momento nenhuma alteração desse quadro fiscal. Não alterar essa estabilidade dá previsibilidade aos agentes económicos”, destaca Siza Vieira, na conferência Retomar Portugal.

Siza Vieira lembra que “desde 2016 que não há qualquer alteração no enquadramento fiscal nos combustíveis” e afirma que a “preocupação é manter a estabilidade no quadro fiscal aplicável aos combustíveis “. Na ótica do ministro, “não alterar o quadro dá previsibilidade aos agentes económicos”.

Os países que tiverem menos dependente dos combustíveis fósseis e foram capazes de mudar o seu mix energético para utilizar mais as energias renováveis vão estar mais preparados”, conclui o Ministro da Economia.

António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), lembra que o Estado recebe 60% daquilo que as pessoas pagam em termos de combustíveis e gostava que “houvesse alguma melhoria a prazo nesta questão”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“Por muito que nos custe, os preços dos combustíveis vão aumentar nos próximos anos”, diz Siza Vieira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião