Porto ataca líder da TAP e insiste na extinção da companhia

A Associação Comercial do Porto critica a recusa de Christine Ourmières-Widener em ter mais voos fora de Lisboa, reafirmando que intervenção do Estado “não vai resolver problemas estruturais” da TAP.

A Associação Comercial do Porto não gostou de ouvir a presidente da TAP dizer que tinha ficado “surpreendida com a magnitude da reação” dos empresários nortenhos relativamente à escassez de serviço da transportadora aérea na região, reiterando a oposição à intervenção do Estado na companhia, que “obedece a uma estratégia irracional de investimento público, contrária aos interesses económicos do país e que não assegura a viabilidade futura da empresa”.

“A atual TAP devia ser extinta e, no seu lugar, criada uma nova companhia aérea, que salvaguardasse os ativos existentes e prestasse um melhor serviço ao país, em linha com as opções tomadas noutros países europeus, como Suíça (Swissair), Bélgica (Sabena) e Itália (Alitalia), este último caso com a particularidade de ter sido hoje [sexta-feira] decretada a extinção”, sublinha a associação de comércio e indústria liderada por Nuno Botelho.

Numa entrevista ao Expresso, a presidente da TAP, Christine Ourmières-Widener, reconhece a “frustração” dos operadores da região e diz que está “a tentar dar o mais que [pode] ao Porto numa base sustentável”, assegurando que “se pudesse fazer mais voos para o Porto, com um bom caso de negócio, claro que gostaria de os fazer”.

“É óbvio que é impossível ter dois hubs, até porque não iria funcionar de um ponto de vista de rentabilidade e eficiência. (…) Entendo o desapontamento do Porto, mas fizemos muitos estudos baseados em números e factos e tentámos explicar a situação”, sinalizou a gestora, argumentando igualmente com o facto de a tripulação da TAP estar “essencialmente baseada em Lisboa”.

Esta sexta-feira, a ACP emitiu um comunicado a manifestar a sua “preocupação” com estas afirmações de Christine Ourmières-Widener, que “reforçam a ideia, já diversas vezes manifestada por esta associação, de que a intervenção do Estado na TAP é um processo mal conduzido e que não vai resolver os problemas estruturais que, há décadas, tornam a companhia aérea numa empresa inviável”.

Nuno Botelho, presidente da Associação Comercial do Porto

Recusando “qualquer tentativa de menorização do seu papel” e prometendo não abdicar da intervenção nesta matéria, lembra que alertou há mais de um ano para a “irracionalidade” deste dossiê, a nível político e económico. Em julho de 2020 interpôs mesmo uma providência cautelar contra a injeção de 1,2 mil milhões de euros na TAP, que acabou por ser rejeitada pelo tribunal, mas “alertou os portugueses para a necessidade de um maior escrutínio sobre esta aplicação de dinheiro público”.

Já em setembro deste ano, Nuno Botelho dirigiu uma carta à Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia, fundamentando que a melhor solução passaria pela extinção da TAP e pela criação de uma nova companhia aérea.

Como seria essa empresa de “base zero”? Conservaria os ativos estratégicos — hub da Portela e ligações ao Brasil, EUA e África lusófona — e asseguraria as rotas intercontinentais a partir de Lisboa, mas de forma complementar, visando o equilíbrio territorial, seriam disponibilizados apoios à criação de rotas nacionais e europeias noutros aeroportos portugueses, “devidamente geridos pelas entidades regionais de promoção externa”.

Esta semana, o ministro das Infraestruturas voltou a sublinhar a importância de o Estado ajudar a TAP, explicando o papel que a companhia aérea tem no desenvolvimento da economia nacional, sobretudo no que toca às exportações. Pedro Nuno Santos referiu que é “fácil e tentador” discutir o dinheiro que vai ser investido na TAP, mas alertou que “muitos querem ficar com o negócio” da empresa portuguesa, referindo-se às companhias aéreas internacionais.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Porto ataca líder da TAP e insiste na extinção da companhia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião