Pandemia acelera na Europa. Reino Unido, Rússia e países de leste tocam máximos

A pandemia volta a ganhar força na Europa. Reino Unido, Rússia e vários países do leste europeu têm vindo a voltar a bater máximos de infeções e mortes por Covid-19.

Numa altura em que se aproxima a chegada do Inverno, a pandemia volta a ganhar força na Europa. Reino Unido, Rússia e vários países do leste europeu, com baixas taxas de vacinação, voltaram a bater máximos de infeções e mortes por Covid-19.

O alerta foi dado pela Organização Mundial de Saúde (OMS): na última semana, houve cerca de 2,7 milhões de novos casos de Covid-19 e mais de 46.000 mortes face à semana anterior. Trata-se, portanto, de um aumento de 7% no número de infeções, sendo que este indicador tem vindo a subir há três semanas consecutivas.

Apesar de mais de metade dos países europeus estar a registar um aumento de novos casos — incluindo Portugal, que, entre 11 e 17 de outubro, registou 4.494 novos casos, ou seja, mais 296 casos do que na semana anterior (um aumento de cerca de 7%) –, a entidade liderada por Tedros Adhanom Ghebreyesus salienta que o Reino Unido, Rússia e Turquia foram os responsáveis pela maioria dos casos.

Em termos absolutos, o Reino Unido tem vindo a registar, em média, entre 40 mil a 50 mil novos casos por dia, o que coloca o país em máximo desde meados de julho. Esta subida de infeções está a preocupar as autoridades de saúde, pelo que os responsáveis pedem ao Governo de Boris Johnson que avance para o “plano B”, voltando a implementar algumas restrições, escreve o The Guardian. Face à escalada de infeções, o ministro britânico da Saúde já veio admitir que o país pode chegar aos 100 mil casos diários, mas reitera que o Governo não vai, para já, implementar o “plano B”.

A adensar as preocupações relativas ao aumento de novos casos está ainda uma nova variante, AY.4.2, cujos especialistas acreditam que seja uma nova mutação da variante Delta e que está a ganhar tração em Inglaterra. Na semana que arrancou a 27 de setembro, foram associados a esta mutação AY.4.2 cerca de 6% dos novos casos, segundo o relatório divulgado pela Agência de Segurança Sanitária do Reino Unido, citado pelo mesmo jornal britânico.

Já a Rússia desde a semana passada que tem vindo a bater novos máximos de óbitos, tendo registado na quarta-feira um novo recorde, com 1.028 mortes nas últimas 24 horas. Além disso, foram registadas 34.073 novas infeções nas 85 regiões do país nessas 24 horas, segundo os dados citados pela Lusa.

Recorde-se que no Reino Unido há já 67,7% da população com a vacinação completa contra a Covid, ao passo que na Rússia essa fasquia cai para 31,7%, de acordo com a monitorização feita pelo Our World in Data.

Baixa taxa de vacinação no leste da Europa está a fazer disparar infeções

Também no leste europeu, vários países têm registado recordes de infeções ou mortes associadas à Covid, acompanhando a tendência vivida na Rússia. É o caso da Ucrânia, que na terça-feira registou 538 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, o número diário mais elevado desde o início da pandemia. De sublinhar que este é um dos países da Europa com menor taxa de vacinação (apenas 15% da população está completamente imunizada) e que atualmente o governo ucraniano luta para combater os certificados de vacinação ou teste falsos, depois de ter decidido implementar esta obrigatoriedade para quem quiser viajar de comboio, escreve o The New York Times.

A baixa taxa de inoculações está também a refletir-se num aumento de casos na Letónia. O país liderado por Egils Levits tem atualmente uma das taxas de infeção mais elevadas a nível mundial (mais de 1.116 casos por milhão de habitantes, a sete dias), pelo que o Governo decidiu fechar escolas, restaurantes e espaços de lazer e impor recolher obrigatório durante cerca de um mês.

A baixa taxa de vacinação também está a afetar a Bulgária, que tem uma taxa de infeção de superior a 400 casos por milhão de habitantes e uma taxa de mortalidade de 14,8 mortes por dia, em média, nos últimos sete dias, ou seja, a segunda maior do “velho continente”. Neste país, só 20% da população tem a vacinação completa contra a Covid, o que a coloca como o país da UE com menor taxa de cobertura vacinal.

Média de novos casos em cada país da União Europeia, nos últimos sete diasFonte: Our World in Data

Ao mesmo tempo, também na Polónia o Governo está a ponderar endurecer as medidas, depois de o país ter registado 5.000 infeções num só dia, um máximo desde maio de 2021. Já na Sérvia, após várias semanas a ultrapassar máximos de infeções diárias e cerca de 50 mortes por dia, o governo decidiu adotar os certificados Covid para acesso a restaurantes, bares e discotecas.

Já a Roménia, com cerca de 30% da população vacinada, em atualmente a quarta maior taxa de infeção a nível da UE (79,38 casos por milhão de habitantes) e a maior taxa de mortalidade associada à Covid na UE (média de cerca de 19 mortes por dia, nos últimos sete dias).

Ainda pela Europa, a Turquia tem uma taxa de infeção superior a 350 casos por milhão de habitantes, a sete dias, sendo que na semana passada registou 30.563 casos num só dia, um máximo desde abril. Neste país, pouco mais de metade da população (56,4%) tem a vacinação completa contra a Covid.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Pandemia acelera na Europa. Reino Unido, Rússia e países de leste tocam máximos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião