Facebook pressiona mas Wall Street atinge máximos

Wall Street fechou a segunda sessão da semana em "terreno positivo", apesar da quebra do Facebook.

Os mercados norte-americanos terminaram a sessão desta terça-feira acima da linha de água. O S&P 500 e o Dow Jones tocaram em máximos, enquanto o Nasdaq foi pressionado pela quebra registada pelo Facebook.

O índice de referência em Wall Street, o S&P 500, fechou o dia a subir 0,17% para 4.574,13 pontos. Também no verde, o industrial Dow Jones terminou as negociações a somar 0,04% para 35.754,18 pontos e o Nasdaq avançou 0,06% para 15.235,72 pontos.

Na sessão desta terça-feira, o Facebook esteve em destaque. Os títulos desta cotada caíram 3,92% para 315,81 dólares, depois de a empresa de Mark Zuckerberg ter avisado que as alterações à política de privacidade da Apple estão a prejudicar os seus negócios.

Além disso, citado pela Reuters, Ken Polcaria, da Kace Capital Advisors, explica: “O Facebook enfrenta outras questões. Os resultados trimestrais não foram excelentes“. O especialista frisa ainda que a polémica em torno dos fracos esforços do Facebook para evitar os efeitos prejudiciais das suas redes sociais na saúde mental dos utilizadores, apesar de estar consciente deles, contribuiu, igualmente, para o desempenho negativo desta sexta-feira.

Na tecnologia, mas do outro lado da linha de água, as ações da Amazon avançaram 1,68% para 3.376,07 dólares e as da Apple subiram 0,46% para 149,32 dólares. No verde, ficou também a General Electric, cujos títulos valorizaram 1,99% para 107,44 dólares, com os investidores à espera dos resultados trimestrais desta cotada.

A contribuir para o sentimento positivo desta terça-feira estiveram, além disso, os dados que mostraram que a confiança dos consumidores recuperou em outubro. Tal cenário poderá, contudo, levar os investidores a temerem uma retirada mais rápida dos estímulos por parte da Reserva Federal dos Estados Unidos. O próximo anúncio nesse sentido do banco central norte-americano deverá acontecer na próxima semana, a 3 de novembro.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Facebook pressiona mas Wall Street atinge máximos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião