Estas são as expectativas dos investidores para a COP26, diz análise da Schroders

  • Capital Verde
  • 27 Outubro 2021

Para os investidores, é sem dúvida, uma conferência para observar, digerir e calcular o impacto nas suas carteiras de investimento, diz a análise da gestora global de investimentos.

Esta análise espelha as expectativas da Schroders, gestora global de investimentos, face à COP26 e dos especialistas Vicki Owen, Senior Content Strategist, e Andrew Oxlade, Head of Editorial Content, em torno da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática COP26.

“[A COP26] Foi apontada como a última oportunidade da humanidade para salvar o planeta. Mesmo que desconfie da hipérbole, é difícil negar que a COP26 assinala um momento importante nos esforços encetados para reduzir as emissões de carbono e para mitigar as alterações climáticas.

Para os investidores, é sem dúvida, uma conferência para observar, digerir e calcular o impacto nas suas carteiras de investimento.

Como o nosso chefe executivo, Peter Harrison, sugeriu anteriormente, as mudanças que devem acontecer para enfrentar as alterações climáticas são semelhantes a um “momento de 1929”. Mudanças radicais foram feitas na contabilidade após o colapso de Wall Street Crash. Tal como a mudança sísmica, está agora em curso uma mudança com impacto nas operações das empresas que em breve se tornarão evidentes.

Nesta análise reunimos as opiniões de pessoas chave dentro da nossa organização, tais como os nossos especialistas em sustentabilidade, mas também os gestores de fundos que investem nas tendências das alterações climáticas. Estes respondem a questões centrais e realçam algumas nuances a ter em conta pelos investidores.

Vale também a pena ler o nosso guia para a COP26. Em resumo, foi alcançado um acordo na COP de Paris (Conferência das Partes) de 2015 para limitar as temperaturas a longo prazo “bem abaixo dos dois graus”, nos níveis da era pré-industrial. Mais de 120 líderes mundiais reunir-se-ão em Glasgow durante os primeiros dias antes de entregarem o testemunho aos ministros do ambiente e outros altos funcionários. Espera-se a presença de cerca de 25.000 pessoas na sexta-feira, dia 12 de novembro, mas a experiência passada das COP mostra-nos que é provável que se estendam até sábado e talvez até domingo.

Qual é o significado da COP26 e a emergência do conceito de uma “transição justa”?

Andy Howard, Global Head of Sustainable Investment comenta:

“As políticas individuais dos governos ficaram e continuam a ficar muito aquém dos compromissos globais assumidos em Paris, e continuam.”

“Esta conferência proporciona um “posto de reabastecimento”. Espera-se que os líderes nacionais regressem ao fórum com compromissos mais firmes, colmatando a lacuna entre a ambição partilhada e as suas ações individuais.”

“Pode revelar-se um momento de “make-or-break” para a diplomacia climática global. A pressão tem vindo a intensificar-se e na reunião deste ano pudemos assistir a uma verdadeira mudança na política climática.

“O princípio de uma “transição justa” – que assegura a transição para uma economia global de baixo carbono, não prejudica indevidamente as economias mais fracas ou partes das sociedades – também tem vindo a ganhar ritmo. Como desafio global, as alterações climáticas exigem uma ação coordenada. Através dessa lente, a transição justa é simultaneamente um objetivo e uma exigência: não será possível um acordo global entre os decisores políticos que representam cada parte da economia global, a menos que todos considerem o plano justo.”

“A incapacidade de chegar a tal acordo tem sido o principal vento de proa para uma ação mais rápida em conferências globais passadas. Como resultado, esperamos que a necessidade de coordenação e apoio global às economias menos desenvolvidas seja uma componente importante das negociações até, e durante, a COP26”.

Quais são os objetivos da COP26 e o que devem os investidores ter em atenção?

Kate Rogers, Head of Sustainability, Wealth comenta:

“Esta é uma oportunidade, um momento no tempo, em que espero olhar para trás e dizer que foi tomada uma ação coordenada.”

“O relatório de referência do IPCC (Painel Internacional sobre as Alterações Climáticas) publicado em agosto, continha quase 4.000 páginas de ciência que expunham as implicações da inação. Nomeadamente, que só é possível manter o aquecimento abaixo dos dois graus através de “reduções profundas nas emissões de CO2 e outros gases com efeito de estufa nas próximas décadas. O Acordo de Paris de 2015 foi agora ratificado por 191 países, sendo a Turquia, o Irão e o Iraque os únicos grandes emissores ainda por assinar”.

“Segundo este acordo, cada país deve estabelecer as suas próprias metas de redução de emissões, conhecidas como Contribuições Determinadas a Nível Nacional (CND). Atualmente, a soma destas CND não é suficiente para cumprir a meta de 1,5 graus de aquecimento, pelo que precisamos urgentemente de ver os países estabelecerem metas mais ambiciosas para a redução de emissões.”

“O objetivo global do Reino Unido para a conferência é ‘manter vivos 1,5 graus’ e como primeiro-ministro da nação anfitriã, Boris Johnson apelou à ação sobre carvão, carros, dinheiro e árvores:

  • Carvão: eliminação progressiva do carvão até 2030 (países desenvolvidos) e 2040 (países em desenvolvimento)
  • Carros: Abandonar carros com motores de combustível fóssil
  • Dinheiro: Para as nações mais ricas, reassegurar o compromisso de 100 mil milhões de dólares para ajudar as nações mais pobres na sua transição
  • Árvores: Comprometer-se a proteger e restaurar a natureza e plantar mais árvores do que aquelas que estamos a perder

“Uma conferência bem-sucedida assistiria tanto a compromissos significativos como à colaboração internacional. Uma forma poderosa de incentivar as empresas a descarbonizarem seria um preço de carbono acordado. Isto cobraria aos emissores com base na quantidade libertada para a atmosfera, alcançando o objetivo de colocar o custo novamente na fonte.

“Muitos países já têm alguma forma de fixação do preço do carbono, mas para sermos eficazes precisaríamos de uma adoção universal. Poderá a COP26 ser a oportunidade para tal? Embora seja um grande ponto positivo na luta contra as alterações climáticas, as implicações para os mercados de investimento poderiam ser significativas. O nosso modelo de Valor de Carbono em Risco aplica um preço de carbono de 100 dólares por tonelada métrica (o nível sugerido pelo UN Global Compact em 2016) e encontra 14% dos ganhos do MSCI World’s em risco”.

Como é que a dinâmica China/EUA irá afetar as negociações?

Simon Webber, Lead Portfolio Manager, que investiu nas tendências das alterações climáticas nos últimos 15 anos comenta:

“Algumas conferências podem ser uma formalidade, mas a COP26 é indiscutivelmente a conferência climática mais importante de uma década e há uma série de importantes fatores desconhecidos pela frente, sendo o eixo China/EUA o mais importante.

“Estamos todos conscientes da fricção comercial entre as duas nações, e de certa forma a administração Biden tem sido mais dura com a China do que a administração Trump foi. Podemos ver que essa batalha tecnológica comercial ainda está em curso, mas ainda há muitas negociações sobre as alterações climáticas que têm vindo a acontecer nos bastidores.

“O clima é uma questão em que ambos os países parecem querer cooperar. A questão é se a relação é suficientemente boa para ter um conjunto de anúncios de apoio sobre alterações climáticas na COP26.

“Precisamos de ver detalhes reais sobre a posição política da China, dado que no ano passado se comprometeram a atingir o zero líquido até 2060.

“Mas a posição dos EUA também precisa de ser firmada e apoiada por políticas detalhadas para implementar a mudança. Nas próximas semanas precisamos de ver compromissos reais e legislação que possa passar no Congresso para dar credibilidade aos planos dos EUA para descarbonizar. Isso será um catalisador fundamental para o investimento na mudança climática.

“Para além dos benefícios a longo prazo da prevenção de alterações climáticas perigosas, a preocupação pública aumentou consideravelmente em ambos os países, criando um incentivo político mais forte para que ambos trabalhem em conjunto na ação climática.”

“Um dos motores das recentes mudanças regulamentares da China é que as pessoas estão descontentes com a poluição e a desigualdade. A China tornou-se, recentemente, muito mais dura com uma série de indústrias poluidoras e há sinais claros de que a poluição ambiental e as normas estão a ser priorizadas de uma forma que não eram há três ou cinco anos.”

“Há um alinhamento de interesses entre a China e a administração Biden sobre este assunto. A questão é se as questões comerciais se interpõem ou não no seu caminho”.

Qual é a prioridade imediata?

Saida Eggerstedt, Head of Sustainable Credit, European and Sustainable Credit e especialista em investimento em neutralidadde carbono comenta:

“Gostaria de compromissos muito mais acionáveis por parte de todos os governos no sentido da neutralidade carbónica. É absolutamente bem-vindo que muitos países tenham autoestabelecido metas para atingirem o zero líquido. Mas para cumprir o caminho baseado na ciência de limitar o aumento global da temperatura, é necessário agir a curto e médio prazo. A divulgação e a governação sobre como os países irão atingir a neutralidade carbónica, e incluir o setor privado para se comprometerem, são fundamentais.

“Além disso, gostaria também de ver a atribuição de recursos financeiros e ajuda técnica aos países em desenvolvimento e zonas em perigo, imediata e urgentemente.

“Seria ótimo se a conferência abordasse a questão da divulgação de informações relacionadas com o clima por parte das empresas, com mais progressos no sentido de orientações. A partilha de tecnologias de captura e reciclagem de gases com efeito de estufa também precisa de ser priorizada”.

Qual será o impacto nos mercados emergentes?

Jonathan Fletcher, Emerging Markets Fund Manager and Head of EM Sustainability Research comenta:

“Estou realmente otimista em relação à COP26, e à oportunidade que isto traz de enfrentar os desafios climáticos do mundo. Como investidor em mercados emergentes, estou demasiado consciente do impacto das alterações climáticas.

Das dez principais cidades mais vulneráveis às alterações climáticas, nove encontram-se em países de mercados emergentes. A qualidade do ar é uma preocupação em muitos países emergentes. Das 50 principais cidades classificadas por maior poluição atmosférica, 45 estão no EM. A necessidade de ação coordenada, e de apoio financeiro para ajudar estes países, é absolutamente fundamental.

“Muitas das empresas em que investimos nos mercados emergentes são facilitadoras de um impacto ambiental positivo. É um dos cinco temas-chave do nosso processo de investimento. E embora os investidores, juntamente com as empresas públicas em que investem, possam ter um papel crítico, a coordenação com o governo, bem como a coordenação entre governos, é também essencial”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Estas são as expectativas dos investidores para a COP26, diz análise da Schroders

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião