Portugal adia reembolsos de 947 milhões para 2031 e 2052

IGCP convenceu os investidores a trocarem 947 milhões de euros em dívida que vencia em 2023 e 2024 por títulos com maturidade em 2031 e 2052, numa operação que baixa os reembolsos nos próximos anos.

Em mais uma operação de troca de dívida, Portugal conseguiu adiar reembolsos na ordem dos 947 milhões de euros ao recomprar antecipadamente títulos que venciam em 2023 e 2024 e trocando-os por títulos que vencem apenas em 2031 e 2052, adianta a instituição que gere a dívida pública portuguesa. A operação vai aliviar os pagamentos a fazer aos credores nos próximos anos.

Em concreto, o IGCP recomprou 205 milhões de euros em obrigações do Tesouro com maturidade em outubro de 2023 e 742 milhões de euros em obrigações com maturidade em fevereiro de 2024. Em contrapartida, “vendeu” aos investidores 681 milhões de euros em títulos que vencem em outubro de 2031 e 266 milhões em títulos que vencem em 2052.

Não é a primeira vez que a agência liderada por Cristina Casalinho realiza uma operação de troca de dívida ao longo deste ano. Estas operações visam, sobretudo, aliviar o plano de reembolsos que o país tem pela frente, aproveitando as condições favoráveis dos mercados para colocar títulos a um custo relativamente baixo.

No próximo ano, Portugal terá de reembolsar aos investidores mais de 8,8 mil milhões de euros em obrigações, mas os reembolsos sobem para 11,3 mil milhões em 2023 e 11,7 mil milhões em 2024. Ao baixar as amortizações, o IGCP alivia as necessidades de financiamento do país no curto prazo, alongando a maturidade da dívida pública.

(Notícia atualizada pela última vez às 11h20)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal adia reembolsos de 947 milhões para 2031 e 2052

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião