Setor do mobiliário vive crise de mão-de-obra

  • ECO
  • 2 Novembro 2021

Indústria portuguesa do mobiliário procura por 5 mil trabalhadores, desde marceneiros a serralheiros. Várias empresas têm rejeitado encomendas perante a falta de mão-de-obra.

Todas as empresas da indústria portuguesa do mobiliário estão a atravessar uma crise de mão-de-obra, necessitando, de momento, de cinco mil trabalhadores, revela esta segunda-feira o Jornal de Negócios (acesso pago).

O setor, que só em exportações atinge 1,9 mil milhões de euros, procura desde marceneiros e estofadores a maquinistas e serralheiros, mas não tem havido aderência aos anúncios. Perante esse cenário, o grupo Laskasas, por exemplo, está a equacionar contratar imigrantes.

Por outro lado, as empresas do setor admitem que estão já a rejeitar encomendas face à falta de mão-de-obra ou a prolongar o prazo para a entrega de outras. Miguel Ferreira, proprietário da MF Mesas, lamenta mesmo o facto de “não haver jovens que queiram aprender a arte”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Setor do mobiliário vive crise de mão-de-obra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião