Hotelaria estima precisar de 15 mil trabalhadores

Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) estima que setor está com falta de 15 mil trabalhadores, a maioria para colmatar necessidades na receção, mesa e cozinha e andares.

A falta de mão-de-obra na hotelaria não é novidade e o setor estima que serão precisos 15 mil trabalhadores para colmatar as necessidades. O inquérito feito pela Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), a cerca de 60% dos associados, aponta para a falta de 7.200 trabalhadores, mas a associação estima que todo o setor precise de cerca de 15 mil funcionários.

O inquérito mais recente da associação, relativo ao período entre 21 de setembro e 30 de outubro, indica que são necessários 7.200 trabalhadores na hotelaria. Contudo, este número diz respeito a cerca de 400 hotéis dos associados da AHP, num universo de cerca de 800, levando o presidente Raul Martins a estimar que a totalidade do setor — cerca de 1.200 hotéis — precise de cerca de 15 mil pessoas para responder às necessidades.

Os números foram revelados à imprensa esta quarta-feira, durante uma conferência de imprensa no âmbito do 32.º Congresso da Hotelaria e Turismo, que decorre entre esta quarta e sexta-feira em Albufeira.

A maioria dos hotéis inquiridos aponta que a receção, mesa e cozinha e andares são as áreas mais carenciadas, embora a “distribuição do território” não seja igual. Por exemplo, a região de Lisboa aponta “carências fortíssimas” nos departamentos administrativos, recursos humanos e manutenção, enquanto o Norte tem falta de trabalhadores nos SPA, apontou Cristina Siza Vieira, CEO da associação.

Sobre a falta de pessoal no setor, Raul Martins referiu, em entrevista ao Público, que uma solução para colmatar esse problema seria a criação de “fluxos de importação” com países específicos, como Cabo Verde e as Filipinas, estando a associação em contacto com o Ministério do Trabalho para avançar com a implementação dessa medida.

O presidente da AHP notou que, no que toca às condições de trabalho, os “hotéis não estão impedidos de fazer contratação em part-time”, o que poderia ser outra solução para o setor, afirmando mesmo acreditar que esse tipo de contratos “vai estar na ordem do dia” no futuro.

Na mesma conferência, Raul Martins falou ainda do novo aeroporto de Lisboa, sublinhando a necessidade de haver uma decisão quanto à localização desta infraestrutura para que se consigam cumprir as metas estabelecidas pelo Governo no Plano Reativar o Turismo. O responsável disse acreditar que seja possível ter um novo aeroporto já em 2025, mesmo com o Executivo a apontar para 2023 a entrega da Avaliação Ambiental Estratégica (AAE).

(Notícia atualizada às 22h10 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Hotelaria estima precisar de 15 mil trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião