Investimento no hidrogénio e captura de carbono tem de chegar a 3,6 biliões em 2030

  • Capital Verde
  • 16 Novembro 2021

Um estudo do BCG diz que, o investimento privado em tecnologias de baixo carbono terá de chegar a 400 mil milhões de euros por ano. No total da década, estamos a falar de um montante de 3,6 biliões.

Um estudo levado a cabo pela BCG concluiu que, para se atingir a neutralidade carbónica, os investidores privados têm de apostar oito vezes mais em tecnologias emergentes de baixo carbono até 2030 comparativamente ao valor investido entre 2016 e 2021.

Feitas as contas, desde 2016, os investidores privados – incluindo capitais de risco, capitais privados, investidores corporativos (corporate ventures) e instituições financeiras – investiram apenas cerca de 140 mil milhões de euros no ecossistema de tecnologia emergentes de baixo carbono.

São elas: o hidrogénio, a captura, utilização e armazenamento de carbono, a compensação de carbono e de análise climática. Juntas são capazes de reduzir 30% das emissões de carbono, mas representam apenas 3% do investimento privado.

Diz a BCG que, para que os países consigam alcançar as metas de neutralidade carbónica, é necessário que, anualmente, se invista oito vezes mais do que o valor investido em 2021, até 2030. Ou seja, o investimento privado em tecnologias de baixo carbono terá de chegar aos 400 mil milhões de euros por ano. No total da década, estamos a falar de um montante de 3,6 biliões de euros.

O relatório mostra ainda que os corporate ventures têm sido “especialmente lentos a investir em tecnologias recentes” e avançam apenas com “pequenos montantes”.

No entanto, no que diz respeito a tecnologias mais “maduras”, como a dos veículos elétricos e da energia solar e eólica, estas sim têm captado a grande maioria do investimento privado.

Para a BCG, o papel dos investidores privados é essencial para o crescimento e amadurecimento destas tecnologias emergentes de baixo carbono, já têm o capital e a experiência de escalar negócios.

Por isso, apela a que à medida que vão sendo lançadas novas soluções no mercado, os investidores privados as encarem como oportunidades de retorno estratégico e financeiro e invistam.

“A BCG tem mostrado como os diferentes atores da economia, das pequenas às grandes empresas, públicas ou privadas, ao longo de toda a cadeia de valor, podem contribuir para a descarbonização da economia e este estudo vem revelar a importância de também os investidores privados assumirem o seu papel”, concluiu, em comunicado, Pedro Pereira, Managing Director & Partner da BCG.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Investimento no hidrogénio e captura de carbono tem de chegar a 3,6 biliões em 2030

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião