Madeira vai chegar aos 50% de renováveis no seu mix com mega central de baterias

A Empresa de Electricidade da Madeira encarregou um consórcio constituído pela Siemens e pela Fluence de garantir que 50% da energia da Madeiara é renovável no espaço de 2 a 3 anos

A Empresa de Eletricidade da Madeira (EEM) adjudicou a um consórcio constituído pela Siemens e pela Fluence um contrato para a instalação de uma central de armazenamento de energia com baterias, que será integrada num conceito de microrede.

O projeto permitirá à EEM melhorar a integração de energias renováveis, criando as condições para que a quota de renováveis no mix energético da ilha aumente significativamente para cerca de 50%.

Em consequência disso, a Madeira poderá reduzir o seu consumo de combustíveis fósseis ao longo dos próximos dois a três anos, ao mesmo tempo que ganha maior independência energética sem afetar a qualidade da energia ou a estabilidade da rede elétrica.

Integrado num conceito de microrede, o sistema de armazenamento de energia com baterias também melhorará a sustentabilidade da ilha, uma vez que reduzirá a sua pegada de carbono e integrará fontes de produção de energia mais diversificadas.

Ao mesmo tempo permitirá à EEM manter altos padrões de fiabilidade e disponibilidade na distribuição de energia. Uma das suas funcionalidades únicas será a capacidade de blackstart de uma parte da rede de 60 kV, permitindo a restauração dos serviços de rede em caso de apagões.

O projeto prevê a construção de um sistema de armazenamento de energia com baterias com capacidade de 22,5 MVA/ 15,6 MWh. A tecnologia de armazenamento de energia será fornecida pela Fluence, uma joint venture entre a Siemens e a AES.

Localizado ao lado da Central Termoelétrica da Vitória, o sistema de armazenamento de energia deverá começar a operar no segundo trimestre de 2022.

“As tecnologias de Grid Edge, tais como o armazenamento de energia, desempenham um papel fundamental na descarbonização de ilhas e comunidades remotas. Não só permitem a integração de fontes de energia renováveis intermitentes, como também aumentam a flexibilidade e a resiliência da rede elétrica. O sistema de armazenamento de energia na Madeira, combinado com as nossas soluções digitais para a gestão inteligente de energia, irá acelerar significativamente a sua transição para um fornecimento de energia sustentável e fiável”, disse Stephan May, CEO da unidade de negócios Distribution Systems da Siemens Smart Infrastructure.

“Com a implementação na ilha desta central de armazenamento com baterias, pretendemos reduzir o número de geradores térmicos que dependem de combustíveis fósseis e aumentar a penetração de fontes de energia renováveis sem correr o risco de apagões, e ao mesmo tempo garantir uma regulação ótima da frequência do sistema elétrico da Madeira,” disse Francisco Taboada, Presidente do Conselho de Administração da EEM.

“Assim que entrar em serviço, esta central terá um papel extremamente importante como reserva energética rápida para fazer face a variações repentinas quer na produção, quer na carga.”

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Madeira vai chegar aos 50% de renováveis no seu mix com mega central de baterias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião