Encontros reduzidos, testes e máscaras. Estas são as 7 recomendações da DGS para um Natal “seguro”

Da vacinação aos testes, passando pela redução dos contactos e pelo arejamento dos espaços, estas são as sete recomendações da DGS para esta quadra natalícia.

Pelo segundo ano consecutivo, a época festiva que se avizinha vai ser marcada pela pandemia. Nesse sentido, a Direção-Geral da Saúde divulgou esta sexta-feira um conjunto de recomendações para minimizar o risco de transmissão da Covid-19.

“A atual situação epidémica da infeção por SARS-CoV-2 implica que todos ponderem o risco a que podem estar expostos nas suas atividades diárias, nomeadamente no período de festas que se avizinha”, sinaliza a entidade liderada por Graça Freitas, em comunicado.

Nesse contexto, a DGS apela aos portugueses que festejem o Natal e o Ano Novo com “segurança e com responsabilidade”, dado que os convívios familiares e de amigos favorecem “a aglomeração de pessoas, com maior proximidade e contacto físico”.

Da vacinação aos testes, passando pela redução dos contactos e pelo arejamento dos espaços, estas são as sete recomendações da DGS para que os portugueses tenham um Natal com o mínimo risco possível de transmissão da Covid-19:

  1. Aproveite todas as oportunidades de vacinação – A DGS relembra que “o plano de vacinação continua a decorrer”, pelo que aconselha a que todas as pessoas elegíveis para a dose de reforço, e as crianças dos cinco aos 11 anos, bem como quem ainda nunca foi vacinado “agende a sua vacinação”. “A evidência científica demonstrou que a vacina é a medida mais eficaz para reduzir as complicações associadas à infeção
    por SARS-CoV-2”, lê-se na nota de imprensa;
  2. Faça um teste rápido de antigénio ou um autoteste como medida de precaução;
  3. Outro dos conselhos deixados diz respeito à minimização dos encontros de Natal e de passagem de Ano. Nesse sentido, a DGS aconselha que estes encontros sejam “idealmente pertencentes à mesma bolha familiar/ social”;
  4. É importante manter o distanciamento físico entre os convidados, nomeadamente quando “se consomem alimentos e bebidas”. Assim, a entidade liderada por Graça Freitas reforça que se deve utilizar “mais do que uma mesa, sempre que possível”;
  5. As celebrações devem ocorrer em “espaços amplos” e com uma boa ventilação;
  6. Deve ser promovido o uso de máscara “quando não se estiver a consumir alimentos ou bebidas, particularmente na presença de pessoas mais vulneráveis, que devem ser ainda mais protegidas”;
  7. É “fundamental” estar atento aos sintomas, nomeadamente “febre, tosse, dores de cabeça, dores musculares, dificuldade respiratória ou perda do olfato ou do paladar”. Em caso de surgimento de sintomas, a DGS aconselha a isolar-se de imediato e a contactar a linha SNS24.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Encontros reduzidos, testes e máscaras. Estas são as 7 recomendações da DGS para um Natal “seguro”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião