Exclusivo Efacec regista prejuízos superiores a 60 milhõespremium

Empresa liderada por Ângelo Ramalho fechou o ano de 2021 com uma quebra de faturação de 90 milhões de euros e de receitas de 96 milhões. Dívida líquida ascendia a 195 milhões em dezembro.

A degradação das contas da Efacec em 2021 é um facto. No meio de um processo de reprivatização que se arrasta -- e que ameaça arrastar o Banco de Fomento --, as contas são mais negativas do que o previsto. A empresa liderada por Ângelo Ramalho teve um resultado líquido negativo de 62,7 milhões de euros e um EBITDA negativo de 31,8 milhões de euros(quando o target definido apontava para 22 milhões positivos). Os números são provisórios e as contas deverão ser fechadas nas próximas semanas. A operação de reprivatização de mais de 71% da Efacec já foi dada como suspensa por António Costa em plena campanha eleitoral, mas o (ainda) ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, continua a tentar uma solução de engenharia financeira, agora com um financiamento do Banco de Fomento da ordem dos 100

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos